Podcasts de história

350º Grupo de Caças (USAAF)

350º Grupo de Caças (USAAF)


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

350º Grupo de Caças (USAAF)

História - Livros - Aeronave - Linha do tempo - Comandantes - Bases principais - Unidades de componentes - Atribuído a

História

O 350º Grupo de Caças (USAAF) foi formado na Grã-Bretanha como parte da Oitava Força Aérea, mas rapidamente mudou-se para o Norte da África e permaneceu no teatro mediterrâneo pelo resto da guerra.

O grupo foi ativado na Grã-Bretanha em 1o de outubro de 1942, depois que a Oitava Força Aérea obteve permissão para ativar o grupo antes de ser oficialmente constituído. Ao mesmo tempo, o escalão terrestre foi formado nos Estados Unidos. Em janeiro-fevereiro de 1943, ambas as partes do grupo mudaram-se para o Norte da África, onde se juntaram à Décima Segunda Força Aérea. O grupo fez parte do Décimo Segundo pelo resto da guerra. O grupo perdeu várias aeronaves durante o vôo da Grã-Bretanha para a África, com muitos forçados a pousar em Portugal neutro.

As atividades do grupo incluíram missões de defesa de caça, escolta de comboio, reconhecimento e missões de ataque ao solo.

Quando entrou em combate, o grupo estava equipado principalmente com o Bell P-39 Airacobra (e o P-400 Airacobra I), e um pequeno número de P-38 Lightnings.

Em agosto-setembro de 1944, o grupo se converteu no P-47 Thunderbolt.

O grupo participou da campanha da Tunísia. Participou da primeira tentativa de chegar a Tunis e foi forçado a recuar após o fracasso deste ataque.

Após a rendição alemã na Tunísia, o grupo forneceu defesa aérea para a costa argelina, fazendo parte da Força Aérea Costeira do Noroeste da África. O grupo poderia lidar com a chegada de bombardeiros alemães, mas seus P-39 não tinham o desempenho de alta altitude para interceptar aeronaves de reconhecimento.

O grupo apoiou a invasão da Itália e o resto da longa campanha na Itália. Forneceu parte da escolta de caça para o comboio que se dirigia a Salerno no início da campanha italiana (9 de setembro de 1943).

O grupo recebeu uma Menção de Unidade Distinta por uma missão em 6 de abril de 1944, quando realizou dez surtidas contra as tropas e instalações alemãs, apesar da forte oposição. Isso foi parte de uma tentativa mais ampla de isolar as tropas alemãs que bloqueavam a estrada para Roma na primavera de 1944.

Durante grande parte de 1944, o grupo foi baseado na Córsega (fevereiro-setembro de 1944).

Em junho de 1944, o grupo apoiou a invasão de Elba

Em agosto de 1944 o grupo participou da Operação Dragão, a invasão do sul da França.

Em agosto-setembro de 1944, o grupo se converteu no P-47 Thunderbolt. Isso permitiu que ele mudasse de um papel defensivo para um ofensivo com seus lutadores mais modernos e poderosos.

O 1º Ten Raymond L. Knight foi premiado com a Medalha de Honra por suas ações em 24-25 de abril de 1945. Durante uma série de ataques aos aeródromos da Luftwaffe no norte da Itália, ele destruiu pelo menos 20 aeronaves alemãs. Infelizmente, ele se perdeu em 25 de abril enquanto tentava retornar à base em uma aeronave gravemente danificada.

O grupo mudou-se para os Estados Unidos em julho-agosto de 1945 e foi desativado em 7 de novembro de 1945.

Livros

Pendente

Aeronave

1942 a agosto-setembro de 1944: Bell P-39 Airacobra, Bell P-400 / Airacobra I, Lockheed P-38 Lightning
Agosto-setembro de 1944 a 1945: República P-47 Thunderbolt

Linha do tempo

1 de outubro de 1942Ativado na Inglaterra com a Oitava Força Aérea
2 de outubro de 1942Constituído como 350º Grupo de Caças
Janeiro a fevereiro de 1943Para o Norte da África e a Décima Segunda Força Aérea
Julho a agosto de 1945Para os Estados Unidos
7 de novembro de 1945Inativado

Comandantes (com data de nomeação)

Tenente Coronel Richard P. Klocko: 14 de outubro de 1942
Maj Ariel W Nielsen: 24 de fevereiro de 1943
Tenente Coronel Marvin L McNickle: 1 de março de 1943
Tenente Coronel Ariel W Nielsen: c. Setembro de 1943
Tenente Coronel John C Robertson, 22 de outubro de 1944
Cel Ariel W Nielsen: c. Fevereiro de 1945
Coronel JohnC Robertson: 20 de junho de 1945-desconhecido.

Bases Principais

Bushey Hall, Inglaterra: 1º de outubro de 1942
Duxford, Inglaterra: outubro de 1942
Oujda Francês Marrocos: 6 de janeiro de 1943
Oran, Argélia: 14 de fevereiro de 1943
Maison Blanche, Argélia: maio de 1943
Rerhaia, Argélia: c. 17 de julho de 1943
Sardenha: 5 de novembro de 1943
Córsega: 6 de fevereiro de 1944
Tarquinia, Itália: 8 de setembro de 1944
Pisa, Itália: 2 de dezembro de 1944 a 14 de julho de 1945
SeymourJohnson Field, NC: 25 de agosto a 7 de novembro de 1945

Unidades de componente

345: 1942-1945
346th: 1942-1945
347th: 1942-1945

Atribuído a

1942: Oitava Força Aérea
1943-44: 63ª Asa de Caça; XII Comando de Caça; Décima Segunda Força Aérea
1944-45: 62ª Asa de Caça; XXII Comando Aéreo Tático; Décima Segunda Força Aérea


353º Grupo de Caças

Tenente Coronel Joseph A. Morris: 15 de outubro de 1942 - 16 de agosto de 1943, MIA.
Tenente Coronel Loren G. McCollom: 18 de agosto de 1943 - 25 de novembro de 1943, POW.
Cel Glenn E. Duncan: 25 de novembro de 1943 - 7 de julho de 1944, MIA - evitado.
Coronel Ben Rimerman: 7 de julho de 1944 - 21 de abril de 1945.
Coronel Glenn E. Duncan: 22 de abril de 1945 - 9 de setembro de 1945.
Tenente Coronel William B. Bailey: 9 de setembro de 1945 - 24 de setembro de 1945.
Tenente-coronel Robert A. Elder: 24 de setembro de 1945 - outubro de 1945

Primeira missão: 12 de agosto de 1943
Última missão: 3 de maio de 1945
Total de surtidas: 447
Aeronave MIA: 137

Reivindicações: Air 330 air 414 ground.

Prêmios principais:

Citação de Unidade Distinta: 17 - 23 de setembro de 1944: apoio a pousos aerotransportados na Holanda

Unidade reivindica a fama

História antiga:

Contato em 1 ° de outubro de 1942 em Mitchel Field, NY. Unidade estabelecida em Richmond AAB, Virgínia. Posteriormente transferida para Baltimore MAP, Md. Iate em outubro de 1942. Treinado com P-40s até fevereiro de 1943, quando alguns P-47s foram designados. Continuou o treinamento com P-47s até ser alertado para movimento no exterior em maio de 1943. Navegou no Queen Mary em 1 de junho de 1943 e chegou a Clyde em 6 de junho de 1943.


350º Grupo de Caças (USAAF) - História

Lema original & quotOusadia e vigor & quot

Publique o lema da segunda guerra mundial & quotEm causa comum & quot

Códigos de identificação de avião,

2 dígitos nº nas portas Abaixo está o patch usado pelo 346th FS enquanto voavam no P-39 Airacobra, eles usaram a letra do alfabeto, nas portas para identificação

A segunda variação do desenho da 347ª mula de chute usou a letra do alfabeto, no nariz para identificação de aviões

6 A 2
6 B 3
6 C 4

6 D 5 .
[no nariz]

A decisão de invadir o Norte da África em novembro de 1942 não foi tomada até meados de agosto de 1942. As forças disponíveis para esta difícil operação eram mínimas - tornando-se necessário para a Oitava Força Aérea da USAAF retirar a maioria dos grupos de combate que haviam chegado à Inglaterra até aquela época de uma campanha de bombardeio embrionário sobre a Europa para participar da batalha pelo controle do noroeste da África.

Versões para exportação do P-39 originalmente encomendadas para a Força Aérea Francesa no início de 1940, após a queda da França em maio de 1940, foram enviadas em vários carregamentos para a RAF no início de 1941 para aumentar a força de caça da RAF após o Batalha da Grã-Bretanha. No entanto, depois que Hitler voltou sua atenção para o Leste, a RAF estava sem pressão e ela havia colocado apenas uma unidade P-39 (601Sq) em 1941. Os outros P-39s permaneceram armazenados nas caixas em que haviam chegado. Ao mesmo tempo, no verão de 1942, o número de pilotos voluntários americanos na RAF servindo na Inglaterra havia crescido para algumas centenas. Na necessidade urgente de caças adicionais para apoiar a invasão iminente, os planejadores americanos decidiram combinar esses dois meios já na Inglaterra e, no final de setembro de 1942, os pilotos americanos da RAF foram convidados a se transferir para a USAAF. Em 1º de outubro, vários pilotos dos 31º e 52º Grupos de Caças da USAAF, que haviam voado P-39s nos Estados Unidos antes de sua chegada à Inglaterra em junho de 42, foram obrigados a se apresentar à Estação RAF em Duxford Inglaterra para ajudar a ativar um novo Grupo, designado como o 350º Grupo de Caças com três Esquadrões subordinados, o 345º, 346º e o 347º. (Os American Eagle Squadrons foram re-designados o 4º Grupo de Caças nesta época, mas o 350º foi o único Grupo ativado do zero na Europa, na Segunda Guerra Mundial). Ao mesmo tempo, alguns dos pilotos americanos que haviam acabado de ser transferidos da RAF foram designados ao novo Grupo para compor a outra metade da escala original da tripulação. Embora os pilotos não tivessem sido avisados ​​de sua missão na época, por razões de segurança, o plano era que o Grupo voasse para o Norte da África seis semanas após a ativação, o que foi uma semana após a invasão programada do Norte da África em 8 de novembro de 1942. Os ex-pilotos da RAF voavam Hurricanes ou Spitfires, enquanto os ex-31º e 52º pilotos do Grupo voavam Spitfires da RAF com os quais haviam sido equipados em sua chegada à Inglaterra, 4 meses antes. No final das contas, o Depósito da RAF responsável por apoiar a operação estava completamente supercomprometido e não poderia desencaixotar e montar as aeronaves P-39 do Grupo a tempo de cumprir o plano de invasão. Os Airacobras finalmente começaram a chegar em grande número, em meados de dezembro, e duas semanas depois os pilotos começaram a voar para o Norte da África. No meio do inverno inglês, muitos dos ex-pilotos da RAF conseguiram adquirir apenas cerca de 20 horas de vôo no novo tipo de aeronave no momento do lançamento para a África.

Os 75 pilotos do Grupo voaram seus caças P-39Ls (346 Sq) e P-39-400 (345 Sq e 347 Sq) das Estações RAF de Portreath e Predannack, em Land-Ends, Inglaterra, para Port Lyautey, Marrocos Francês, durante o período de 3 de janeiro a 28 de fevereiro de 1943. Sessenta e um chegaram ao aeroporto de destino. Dez pilotos que encontraram ventos frontais, em vez do vento de cauda previsto (a única reserva de combustível nas 1200 milhas, seis a sete horas de voo aquático) foram forçados a aterrar em Portugal, onde foram internados. Mais um aterrou em Portugal depois de perder todos os sistemas eléctricos. Um voo que se quebrou em uma forte tempestade de linha sobre o Golfo da Biscaia perdeu um piloto, (KIA) ele estava voando sozinho, provavelmente ainda no convés, em configurações de cruzeiro de alcance máximo (165 a 175 MPH), quando era provável emboscado e abatido por um piloto do Ju-88 do KG-40 que estava patrulhando, que alegou matar um piloto, após fechar na costa francesa para determinar sua localização, acabou sem combustível e fez um pouso forçado na Espanha, onde foi internado outro piloto naquele voo se perdeu e fez um pouso forçado na Irlanda enquanto tentava retornar à Inglaterra. (http://www.armyairforces.com/forum/m_85813/mpage_1/tm.htm, Tenente Charles M. Kirschner, 346 Fighter Squadron, ex RCAF / RAF, aterrissou na parte sul da Irlanda, em 5 de fevereiro 1943. Ele fazia parte de um vôo de cinco navios P-39 que decolou da estação Predannack da RAF, em Lands End, com destino a Port Lyautey, Marrocos francês, seguindo um B-25. No Golfo da Biscaia, eles colidiram com um severo rajada de linha e o vôo se desfez ao tentar penetrar. Dois dos pilotos, o tenente Duket de Hq. 350 Gp e o tenente Tedford de 345 Sq. retornaram após penetrar na frente e chegar ao destino. Um piloto de 347 Sq., O tenente Clyde Wilson voou para o leste para estabelecer sua posição, encontrou a costa da França e voltou para o mar novamente, antes de seguir para o sul. Enquanto estava na Espanha, ele decidiu que não tinha mais combustível suficiente para chegar ao Marrocos francês e escolheu aterrissar em um Um pequeno campo de pouso espanhol. Depois de alguns meses, os diplomatas resolveram os detalhes e ele foi autorizado a seguir para Gibraltar, sob a cobertura, e voltou a seu esquadrão na África. Outro piloto do vôo, o tenente Henry M. Nelson, aparentemente passou pela frente e continuou para o sul em direção ao seu destino. Ele foi localizado pelo tenente Hermann Horstmann que estava patrulhando a baía como um membro do KG / 40, em uma versão de caça do Ju-88, procurando por aeronaves aliadas solitárias para interceptar. Presume-se que Nelson ainda estava voando perto do convés em velocidade máxima de cruzeiro - cerca de 165 MPH - quando foi interceptado por trás por Horstmann e foi abatido e morto. (Ver Bloody Biscay de Chris Goss para mais detalhes) O quinto piloto do vôo, Kirschner, decidiu retornar à Inglaterra quando o vôo quebrou devido ao clima. Ele encontrou um buraco para descer sobre um campo verde, mas não conseguiu estabelecer sua posição e depois de queimar a maior parte de seu combustível caiu no sul da Irlanda, sem saber até depois que ele havia pousado lá, em vez de na Inglaterra. Ele foi libertado alguns dias depois na fronteira com a Irlanda do Norte.

Mais um piloto, o Capitão Robert L. English, fez uma aterragem preventiva em Lisboa no dia 8, após desligar todos os sistemas eléctricos. Essas perdas, combinadas com a maior perda de 10 345 Sq. aeronaves e pilotos que aterraram em Lisboa a 15 de Janeiro de 43 quando ficaram sem combustível após evitarem tempestades frontais, foram responsáveis ​​pelas quatorze (de 75 aeronaves) 350º Grupo derrotas durante a mudança durante o meio do inverno, por muitos pilotos com apenas 20 horas na P-39, da Inglaterra à África. O último voo dos pilotos do Grupo ocorreu no dia 28 de fevereiro 43.)

Os primeiros elementos do Air Echelon e do Ground Echelon finalmente se juntaram em Oujda, no Marrocos francês, poucos dias após sua chegada ao norte da África em 3 de janeiro de 1943. O Ground Echelon havia chegado ao norte da África na primeira semana de Novembro de 1942 dos EUA com a frota de invasão da Operação Torch .

O Grupo iniciou as operações de defesa aérea ao longo da costa do Norte da África alguns dias após a união de seus elementos terrestres e aéreos. Um mês após a chegada de seu primeiro vôo à África, iniciou suas primeiras missões de combate ofensivo, sobre a Tunísia.

O Grupo realizou missões de defesa aérea e caça-bombardeiro com seus P-39s e principalmente missões de caça-bombardeiro com seus P-47s. Além disso, de junho a setembro de 1943, cada esquadrão recebeu dois P-38 para interceptar e destruir aeronaves de reconhecimento da Luftwaffe, enviadas para fotografar a frota de invasão aliada que se reunia ao longo da costa norte-africana para a invasão da Sicília. O Primeiro Esquadrão de Caças Brasileiro juntou-se ao 350º Grupo como um quarto Esquadrão em outubro de 1944. Os Esquadrões Americanos do Grupo voaram mais de 37.000 surtidas durante a guerra, cerca de 16.600 surtidas defensivas e mais de 20.000 surtidas ofensivas. O 1º Esquadrão de Caças Brasileiro realizou 2.546 surtidas ofensivas adicionais. Do total, a maioria das surtidas defensivas foram realizadas nos P-39 Airacobras e P-38 Lightnings, enquanto a maior parte de suas ofensivas foram realizadas nos P-47 Thunderbolts. No entanto, cerca de 3.850 surtidas ofensivas, de metralhadoras e bombardeios a varreduras de caças e algumas missões de escolta de bombardeiros foram realizadas nos P-39s, enquanto cerca de 700 surtidas defensivas foram realizadas nos P-47s do Grupo.

O Grupo perdeu 95 pilotos, KIA ou mortos em acidentes aéreos, sendo oito deles pilotos brasileiros. Vinte e dois pilotos tornaram-se prisioneiros de guerra, sendo 5 brasileiros. Outros 25 pilotos foram abatidos em missões ofensivas, mas ou evadiram a captura em território inimigo, ou, resgataram ou caíram em território aliado, cinco deles sendo pilotos brasileiros. Pelo menos 16 pilotos foram feridos em ação, mas conseguiram pousar em sua base ou em outro campo de aviação aliado. Três deles eram pilotos brasileiros. Treze pilotos foram internados em países neutros . Todos foram autorizados a seguir (incógnitos, em roupas civis) para Gibraltar, cerca de três meses depois. Aproximadamente um terço de todos os pilotos americanos que serviram no Grupo se enquadraram em uma das categorias acima. Aproximadamente 44 por cento dos pilotos brasileiros que voaram missões se enquadraram em uma das categorias acima. No entanto, os pilotos do Grupo conseguiram retornar e pousar com aeronaves avariadas em quase setecentas ocasiões. Do outro lado do livro-razão, os pilotos do Grupo lançaram mais de 7.000 toneladas de bombas e dispararam mais de 30 milhões de cartuchos de munição na destruição de alvos inimigos.

Arquivos do Projeto 914 da Maison Blanche (coleção de Steve O. Reno)

Forças aéreas atribuídas a: 8º AF (Out '42 - Jan'43)
12º AF (janeiro de 43 - de julho de 45)
Partiu da Itália para o Pacific Theatre of War, 1 de agosto de 45, a caminho do fim da segunda guerra mundial

Ativado na Inglaterra (Air Echelon):

E nos EUA (Ground Echelon) Harding Army Airfield, Baton Rouge Louisiana

RAF Station Duxford, Inglaterra, HQ. Grupo 350 e 345º Esquadrão, outubro de 1942 - janeiro de 43

QUINTA-FEIRA, 1 DE OUTUBRO DE 1942, TEATRO EUROPEU DE OPERAÇÕES (ETO) Oitava Força Aérea: HQ 350º Grupo de Caças e os 345º, 346º e 347º Esquadrões de Caça são ativados em Bushey Hall, Inglaterra, os escalões terrestres dos esquadrões estão em Harding Field, Louisiana e irá navegar para o Norte da África para a invasão.

QUINTA, 15 DE OUTUBRO DE 1942, TEATRO EUROPEU DE OPERAÇÕES (ETO) Oitava Força Aérea: HQ 350º Grupo de Caças e os 345º, 346º e 347º Esquadrões de Caça movem-se de Bushey Hall para Duxford, Inglaterra, onde se equipam com P-39s e P-400s

RAF Station Snailwell, Inglaterra, 347º Esquadrão, outubro de 1942 - novembro de 43

DOMINGO, 4 DE OUTUBRO DE 1942, TEATRO EUROPEU DE OPERAÇÕES (ETO) Oitava Força Aérea: O 347º Esquadrão de Caça, 350º Grupo de Caça, muda-se de Bushey Hall para Snailwell, Inglaterra com P-39s e P-400s.

Oujda, Marrocos francês, janeiro de 1943

QUINTA, 19 DE NOVEMBRO DE 1942, NW AFRICA (12ª Força Aérea): No Marrocos Francês, os 345º e 346º Esquadrões de Caça, 350º Grupo de Caças, chegam a Casablanca, o escalão aéreo do Reino Unido com P-39s e P-400s e no solo escalão dos EUA

QUARTA-FEIRA, 6 DE JANEIRO DE 1943, MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (Décima Segunda Força Aérea): HQ 350º Grupo de Caças e seu 347º Esquadrão de Caças com P-39s e P-400s é estabelecido em Oujda, Marrocos Francês após a chegada da Inglaterra. O 346º Esquadrão de Caças do grupo, que está no Marrocos Francês com P-39 e P-400 desde 42 de novembro, também se muda para Oujda. O 346º entra em combate em janeiro de 43.

QUARTA-FEIRA, 6 DE JANEIRO DE 1943, MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (Décima Segunda Força Aérea): 345º Esquadrão de Caças, 350º Grupo de Caças com transferências de P-39s e P-400s de Casablanca, Marrocos Francês para Oujda, Marrocos Francês.

Oran / La Senia, Argélia, janeiro - fevereiro de 1943

SEXTA-FEIRA, 12 DE FEVEREIRO DE 1943, O 347º Esquadrão de Caça, 350º Grupo de Caça com transferências de P-39 e P-400 de Oujda, Marrocos Francês para La Senia, Argélia.

DOMINGO, 14 DE FEVEREIRO DE 1943, HQ 350th Fighter Group é transferido de Oujda, Marrocos Francês para Oran, Argélia. Os 345º e 346º Esquadrões de Caças do grupo com P-39s e P-400s são transferidos de Oujda para La Senia, na Argélia.

Orleansville / Warnier field, Argélia, março - abril 43

TERÇA-FEIRA, 9 DE MARÇO DE 1943, O 347º Esquadrão de Caça, 350º Grupo de Caça com transferências de P-39 de La Senia, Argélia para Orleansville, Argélia.

QUARTA-FEIRA, 21 DE ABRIL DE 1943, Os 346º e 347º Esquadrões de Caças, 350º Grupo de Caças com bases de troca do P-39 os 346º movimentos de La Senia, Argélia a Orleansville, Argélia, os 347º movimentos de Orleansville a Le Sers, Tunísia.

Le Sers, Tunísia, abril-maio ​​43

QUARTA-FEIRA, 21 DE ABRIL DE 1943, o 347º muda-se de Orleansville para Le Sers, Tunísia.

SEXTA-FEIRA, 14 DE MAIO DE 1943, MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (Força Aérea do Noroeste da África), 307º Esquadrão de Caça, 31º Grupo de Caça, com Spitfires, transferências de Le Sers, Tunísia para Korba, Tunísia.

DOMINGO, 16 DE MAIO DE 1943, MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (Força Aérea do Noroeste da África), HQ 350th Fighter Group transfere-se de Oran, Argélia para Maison Blanche, Argélia. Seu 345º Esquadrão de Caças (P-39) é transferido de La Senia, na Argélia, para a Maison Blanche, na Argélia.

SÁBADO, 22 DE MAIO DE 1943, MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (Força Aérea do Noroeste da África), O 346º Esquadrão de Caças, 350º Grupo de Caças é transferido com os P-39 de Orleansville, Argélia, para a Maison Blanche, na Argélia.

SEXTA-FEIRA, 4 DE JUNHO DE 1943, MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (Força Aérea do Noroeste da África), O 346º Esquadrão de Caça, 350º Grupo de Caças baseado em Maison Blanche, Argélia começa a operar seus P-39 de Monastir, Tunísia.

DOMINGO, 13 DE JUNHO DE 1943, MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (Força Aérea do Noroeste da África), O 346º Esquadrão de Caça, 350º Grupo de Caça que opera seus P-39 de Monastir, Tunísia, desde 4 de junho retorna à sua base em Maison Blanche, na Argélia.

Bone / Tingley, Argélia, julho de 43

SEGUNDA-FEIRA, 28 DE JUNHO DE 1943, MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (Força Aérea do Noroeste da África), O 345º Esquadrão de Caças, 350º Grupo de Caças é transferido com os P-39 de Maison Blanche, na Argélia, para Bone, na Argélia.

Reghaia, Argélia, julho de 1943 a outubro de 1943

SÁBADO, 17 DE JULHO DE 1943, MEDITERRÂNEO OCIDENTAL (Força Aérea do Noroeste da África), HQ 350º Grupo de Caças e seu 345º Esquadrão de Caça são transferidos com os P-39 de Maison Blance, na Argélia, para Rerhaia, na Argélia.

O Grupo mudou-se para o Porto de Embarque em Nápoles, Itália, em 14 de julho de 45 e partiu para operações de combate
no Pacific Theatre of War, em 1 de agosto de 1945. As bombas atômicas foram lançadas sobre o Japão enquanto o
O Grupo estava a caminho e durante o abastecimento na Cidade do Panamá, no lado do oceano Pacífico da Zona do Canal,
O dia V-J foi declarado, sinalizando o fim das hostilidades na Segunda Guerra Mundial. O navio que transporta o Grupo
foi direcionado para retornar aos EUA e o 350th Fighter Group e seus esquadrões americanos foram
desativado em 7 de novembro de 1945, em Goldsboro, NC, após 3 anos e um mês de operação.


350º Grupo de Caças

O escalão aéreo do grupo foi ativado na Inglaterra sob a Oitava Força Aérea. Foi equipado com versões de exportação do P-39 Aircobra originalmente encomendado para a Força Aérea Francesa no início de 1940, que foram desviados para a Inglaterra após a queda da França. Na Inglaterra, os P-39s permaneceram armazenados nas caixas em que chegaram. No verão de 1942, o número de pilotos voluntários americanos da Royal Air Force servindo na Inglaterra havia crescido para algumas centenas. Na necessidade urgente de caças adicionais para apoiar a próxima invasão da África do Norte, os planejadores americanos decidiram combinar esses dois ativos já na Inglaterra e, no final de setembro de 1942, vários pilotos americanos da RAF foram convidados a se transferir para a USAAF.

Em 1º de outubro, os pilotos dos grupos de caças 31 e 52 da USAAF, que haviam voado P-39s nos Estados Unidos antes de sua chegada à Inglaterra em junho de 1942, foram obrigados a se apresentar à RAF Duxford para ajudar a ativar um novo grupo, designado como a 350º Grupo de Caças com três esquadrões subordinados, o 345º, 346º e 347º. (O RAF American Eagle Squadrons foi redesignado o 4º Grupo de Caças nesta época, mas o 350º foi o único Grupo ativado do zero na Europa).

Ao mesmo tempo, alguns dos pilotos americanos que haviam acabado de ser transferidos da RAF foram designados ao novo 350º Grupo de Caças para compor a outra metade da escala original da tripulação. Como se constatou, o Depósito RAF responsável por apoiar a operação estava completamente comprometido e não poderia desencaixotar e montar a aeronave P-39 do Grupo a tempo de cumprir o plano de invasão. A Airacobras finalmente começou a equipar o grupo em números em meados de dezembro de 1942, e duas semanas depois os pilotos começaram a voar para o Marrocos francês. No meio do inverno inglês, muitos dos ex-pilotos da RAF conseguiram adquirir apenas cerca de 20 horas de voo no novo tipo de aeronave quando lançaram para a África.

Os 75 pilotos do Grupo voaram seus caças P-39Ls (346th Sq) e P-39-400 (345th Sq e 347th Sq) da RAF Portreath e RAF Predannack Down, Inglaterra, para o Aeródromo Port Lyautey, Marrocos Francês, durante o período de 3 de janeiro a 28 de fevereiro de 1943. Sessenta e um chegaram ao aeródromo de destino. Dez pilotos que encontraram ventos frontais, em vez do vento de cauda previsto (a única reserva de combustível nas 1200 milhas, seis a sete horas de voo aquático) foram forçados a aterrar em Portugal, onde foram internados. Mais um aterrou em Portugal depois de perder todos os sistemas eléctricos. Um voo que se quebrou em uma forte tempestade de linha sobre o Golfo da Biscaia perdeu um piloto, (KIA) - ele estava voando sozinho, provavelmente ainda no convés, em configurações de cruzeiro de alcance máximo (165 a 175 MPH), quando era provável emboscado e abatido por um piloto do Junkers Ju 88 que patrulhava o KG 40 do Fliegerführer Atlantik, que alegou matar um piloto, após fechar a costa francesa para determinar sua localização, acabou sem combustível e aterrissou na Espanha, onde ele foi internado, outro piloto naquele voo se perdeu e teve um pouso forçado na Irlanda enquanto tentava retornar à Inglaterra.

Os primeiros elementos do Air Echelon e do Ground Echelon finalmente se juntaram no campo de aviação de Oujda, no Marrocos francês, poucos dias após sua chegada ao norte da África em 3 de janeiro de 1943. O Ground Echelon havia chegado ao norte da África na primeira semana de novembro de 1942 dos Estados Unidos com a frota de invasão da Operação Tocha.

O grupo operou com a Décima Segunda Força Aérea de janeiro de 1943 até o final da guerra, patrulhando e interceptando missões, protegendo comboios, escoltando aeronaves, voando missões de reconhecimento, participando de operações de interdição e fornecendo apoio próximo às forças terrestres. Ele operou contra alvos na Tunísia até o final daquela campanha. O Grupo realizou missões de defesa aérea e caça-bombardeiro com seus P-39 Aircobras e principalmente missões de caça-bombardeiro com seus P-47 Thunderbolts.

A unidade defendeu a costa da Argélia durante o verão e outono de 1943. Depois disso, operou principalmente em apoio às forças aliadas na Itália até o final da guerra, bombardeando e bombardeando instalações ferroviárias, docas de navegação, radares e estações de transformadores, linhas de energia , pontes, transportes motorizados e instalações militares. De junho a setembro de 1943, cada esquadrão recebeu dois P-38s para interceptar e destruir aeronaves de reconhecimento da Luftwaffe, enviadas para fotografar a frota de invasão aliada que se reunia ao longo da costa norte-africana para a invasão da Sicília.

Ele recebeu um DUC para ação no oeste da Itália em 6 de abril de 1944 quando, apesar da intensa artilharia e ataques de vários interceptadores inimigos, o grupo voou dez missões, atingindo tropas, pontes, veículos, quartéis e instalações de alerta aéreo. Também cobriu os desembarques dos Aliados em Elba em junho de 1944 e apoiou a invasão do sul da França em agosto.

O Primeiro Esquadrão de Caças Brasileiro juntou-se ao 350º Grupo de Caças como um quarto Esquadrão em outubro de 1944.

O 1º Ten Raymond L Knight recebeu a Medalha de Honra pelas missões em 24 e 25 de abril de 1945: liderando voluntariamente ataques por meio de intenso fogo antiaéreo contra aeródromos inimigos no norte da Itália, Knight foi responsável pela eliminação de mais de 20 aviões alemães destinados a ataques às forças aliadas ao tentar devolver seu avião despedaçado à base após um ataque em 25 de abril, ele caiu nos Apeninos.

Quando a guerra na Itália chegou ao fim, os esquadrões do 350º FG foram embaralhados enquanto os membros elegíveis eram mandados para casa e o pessoal substituto era trazido. A maioria dos barcos embarcados com destino ao Teatro do Pacífico, mas nunca chegaram lá quando a bomba atômica trouxe o guerra ao fim.

O 350º FG mudou-se para o porto de embarque em Nápoles, Itália, em 14 de julho de 1945. Em 1 de agosto de 1945, o grupo partiu para operações de combate no Teatro do Pacífico. As bombas atômicas foram lançadas sobre o Japão enquanto o Grupo estava a caminho e abastecendo na Cidade do Panamá, no lado do Oceano Pacífico da Zona do Canal. O dia V-J foi declarado, sinalizando o fim das hostilidades na Segunda Guerra Mundial. O navio que transportava o Grupo foi direcionado para retornar aos Estados Unidos e o 350th Fighter Group e seus Esquadrões Americanos foram desativados em 7 de novembro de 1945, em Seymour Johnson Field, Goldsboro, NC, após 3 anos e um mês de operações. A inativação duraria menos de um ano.

Em 24 de maio de 1946, o 350º foi redesignado 112º Grupo de Caças e distribuído para a Guarda Aérea Nacional da Pensilvânia (PA-ANG). O 345º FS tornou-se o 146º Esquadrão de Caça, o 346º FS tornou-se o 147º Esquadrão de Caça e o 347º FS foi redesignado o 148º Esquadrão de Caça.

O 112º Grupo de Caças continuou voando P-47 Thunderbolts e obteve reconhecimento federal estendido em 22 de abril de 1947.


Conteúdo

Mídia relacionada ao 350th Fighter Group (United States Army Air Forces) no Wikimedia Commons

Consulte o 112º Grupo de Reabastecimento Aéreo para obter a linhagem e a história adicionais do pós-guerra

O escalão aéreo do grupo foi ativado na Inglaterra sob a Oitava Força Aérea. Ele foi equipado com versões de exportação do P-39 Airacobra originalmente encomendado para a Força Aérea Francesa no início de 1940, que foram desviados para a Inglaterra após a queda da França. Na Inglaterra, os P-39s permaneceram armazenados nas caixas em que chegaram. No verão de 1942, o número de pilotos voluntários americanos da Royal Air Force servindo na Inglaterra havia crescido para algumas centenas. Na necessidade urgente de caças adicionais para apoiar a próxima invasão da África do Norte, os planejadores americanos decidiram combinar esses dois ativos já na Inglaterra e, no final de setembro de 1942, vários pilotos americanos da RAF foram convidados a se transferir para a USAAF.

Em 1º de outubro, os pilotos dos grupos de caças 31 e 52 da USAAF, que haviam voado P-39s nos Estados Unidos antes de sua chegada à Inglaterra em junho de 1942, foram obrigados a se apresentar à RAF Duxford para ajudar a ativar um novo grupo, designado como a 350º Grupo de Caças com três esquadrões subordinados, o 345º, 346º e 347º. (O RAF American Eagle Squadrons foi redesignado o 4º Grupo de Caças nesta época, mas o 350º foi o único Grupo ativado do zero na Europa).

Ao mesmo tempo, alguns dos pilotos americanos que haviam acabado de ser transferidos da RAF foram designados ao novo 350º Grupo de Caças para compor a outra metade da escala original da tripulação. Como se viu, o depósito da RAF responsável por apoiar a operação estava completamente comprometido e não poderia desempacotar e montar a aeronave P-39 do Grupo a tempo de cumprir o plano de invasão. A Airacobras finalmente começou a equipar o grupo em números em meados de dezembro de 1942, e duas semanas depois os pilotos começaram a voar para o Marrocos francês. No meio do inverno inglês, muitos dos ex-pilotos da RAF conseguiram adquirir apenas cerca de 20 horas de voo no novo tipo de aeronave no momento do lançamento para a África.

Os 75 pilotos do Grupo voaram seus caças P-39Ls (346th Sq) e P-39-400 (345th Sq e 347th Sq) da RAF Portreath e RAF Predannack Down, Inglaterra, para Port Lyautey Airfield, Marrocos Francês, durante o período de 3 de janeiro a 28 de fevereiro de 1943. Sessenta e um chegaram ao aeródromo de destino. Dez pilotos que encontraram ventos frontais, em vez do vento de cauda previsto (a única reserva de combustível no vôo de 1.200 milhas, seis a sete horas sobre a água) foram forçados a pousar em Portugal, onde foram internados. Mais um aterrou em Portugal depois de perder todos os sistemas eléctricos. Um voo que se quebrou em uma forte tempestade de linha sobre o Golfo da Biscaia perdeu um piloto (KIA) - ele estava voando sozinho, provavelmente ainda no convés, em configurações de cruzeiro de alcance máximo (165 a 175 MPH), quando provavelmente foi emboscado , e foi abatido por um piloto do Junkers Ju 88 patrulhando o KG 40 do Fliegerführer Atlantik que alegou matar um piloto, após fechar a costa francesa para determinar sua localização, acabou sem combustível e fez um pouso forçado na Espanha, onde ele foi internado, outro piloto naquele voo se perdeu e teve um pouso forçado na Irlanda enquanto tentava retornar à Inglaterra.

Os primeiros elementos do Air Echelon e do Ground Echelon finalmente se juntaram no campo de aviação de Oujda, no Marrocos francês, poucos dias após sua chegada ao norte da África em 3 de janeiro de 1943. O Ground Echelon havia chegado ao largo do norte da África na primeira semana de novembro de 1942 dos Estados Unidos com a frota de invasão da Operação Tocha.

O grupo operou com a Décima Segunda Força Aérea de janeiro de 1943 até o final da guerra, patrulhando missões e interceptação, protegendo comboios, escoltando aeronaves, voando missões de reconhecimento, participando de operações de interdição e fornecendo apoio próximo às forças terrestres. Ele operou contra alvos na Tunísia até o final daquela campanha. The Group flew air defense and fighter-bomber missions with its P-39 Airacobras and primarily fighter bomber missions with its P-47 Thunderbolts.

The unit defended the coast of Algeria during the summer and fall of 1943. Afterward, it operated primarily in support of Allied forces in Italy until the end of the war, bombing and strafing rail facilities, shipping docks, radar and transformer stations, power lines, bridges, motor transports, and military installations. From June to September 1943 each squadron was assigned two P-38s to intercept and destroy high-flying Luftwaffe reconnaissance aircraft sent to photograph the allied invasion fleet gathering along the North African coast for the invasion of Sicily.

It received a DUC for action in western Italy on 6 April 1944 when, despite intense flak and attacks by numerous enemy interceptors, the group flew ten missions, hitting troops, bridges, vehicles, barracks, and air warning installations. It also covered Allied landings on Elba in June 1944 and supported the invasion of southern France in August.

The First Brazilian Fighter Squadron joined the 350th Fighter Group as a fourth squadron in October 1944.

1st Lt Raymond L Knight was awarded the Medal of Honor for missions on 24 and 25 April 1945: voluntarily leading attacks through intense antiaircraft fire against enemy airdromes in northern Italy, Knight was responsible for eliminating more than 20 German planes intended for assaults on Allied forces attempting to return his shattered plane to base after an attack on 25 April, he crashed in the Apennines.

As the war in Italy came to a close, the squadrons of the 350th FG were shuffled as eligible members were sent home and replacement personnel were brought in. Most boarded boats bound for the Pacific Theater, but never got there as the atomic bomb brought the war to an end.

The 350th FG moved to the port of embarkation at Naples, Italy, on 14 July 1945. On 1 August 1945, the group sailed for combat operations in the Pacific Theater. The atomic bombs were dropped on Japan while the Group was en route and provisioning in Panama City on the Pacific Ocean side of the Canal Zone. V-J day was declared, signaling the end of hostilities in World War II. The ship carrying the Group was directed to return to the US and the 350th Fighter Group and its American squadrons were inactivated on 7 November 1945, at Seymour Johnson Field, Goldsboro, NC, after three years and one month of operations. The inactivation was to last less than a year.

On 24 May 1946, the 350th was re-designated 112th Fighter Group and allotted to the Pennsylvania Air National Guard (PA-ANG). The 345th FS became the 146th Fighter Squadron, the 346th FS became the 147th Fighter Squadron and the 347th FS was redesignated the 148th Fighter Squadron.

The 112th Fighter Group continued flying P-47 Thunderbolts, and was extended federal recognition on 22 April 1947.


Conteúdo

Media related to 350th Fighter Group (United States Army Air Forces) at Wikimedia Commons

See 112th Air Refueling Group for additional postwar lineage and history

The group's air echelon was activated in England under Eighth Air Force. It was equipped with export versions of the P-39 Airacobra originally ordered for the French Air Force in early 1940 which were diverted to England after the Fall of France. In England, the P-39s remained in storage in the crates in which they had arrived. By the summer of 1942 the number of American pilot volunteers in the Royal Air Force serving in England had grown to a few hundred in number. In urgent need of additional fighters to support the forthcoming North African invasion, American planners decided to combine these two assets already in England and at the end of September 1942 a number of American pilots in the RAF were invited to transfer to the USAAF.

On 1 October, pilots from the USAAF 31st and 52d Fighter Groups, who had flown P-39s in the United States prior to their arrival in England in June 1942, were ordered to report to RAF Duxford to help activate a new Group, designated as the 350th Fighter Group with three subordinate Squadrons, the 345th, 346th and 347th . (The RAF American Eagle Squadrons were re-designated the 4th Fighter Group about this time but the 350th was the only Group activated from scratch in Europe).

At the same time, some of the American pilots who had just transferred from the RAF were ordered to the new 350th Fighter Group to make up the other half of the original aircrew roster. As it turned out, the RAF depot responsible for supporting the operation was completely over committed and could not uncrate and assemble the Group’s P-39 aircraft in time to meet the invasion plan. Airacobras did finally begin equipping the group in numbers by mid-December 1942, and two weeks later the pilots began flying to French Morocco. In the middle of the English winter, many of the ex RAF pilots managed to acquire only some 20 hours of flying time in the new aircraft type by the time they launched for Africa.

The Group’s 75 pilots flew their P-39Ls (346th Sq) and P-39-400 (345th Sq and 347th Sq) fighters from RAF Portreath and RAF Predannack Down, England, to Port Lyautey Airfield, French Morocco, during the period 3 January to 28 February 1943. Sixty-one arrived at the destination airfield. Ten pilots that encountered head winds, instead of the forecast tail wind (the only fuel reserve on the 1200-mile, six- to seven-hour over water flight) were forced to land in Portugal where they were interned. One more landed in Portugal after losing all electrical systems. One flight that broke up in a severe line squall over the Bay of Biscay lost one pilot (KIA)—he was flying alone, probably still on the deck, at max range cruise settings (165 to 175 MPH), when he was likely ambushed, and was shot down by a patrolling Junkers Ju 88 pilot of KG 40 of Fliegerführer Atlantik who claimed the kill one pilot, after closing on the French coast to determine his location, ended up short of fuel and crash-landed in Spain, where he was interned another pilot on that flight became lost and crash-landed in Ireland while attempting to return to England.

The first elements of the Air Echelon, and the Ground Echelon, finally joined each other at Oujda Airfield, French Morocco, a few days after their arrival in North Africa on 3 January 1943. The Ground Echelon had arrived off North Africa in the first week of November 1942 from the United States with the Operation Torch invasion fleet.

The group operated with Twelfth Air Force from January 1943 until the end of the war, flying patrol and interception missions, protecting convoys, escorting aircraft, flying reconnaissance missions, engaging in interdiction operations, and providing close support for ground forces. It operated against targets in Tunisia until the end of that campaign. The Group flew air defense and fighter-bomber missions with its P-39 Airacobras and primarily fighter bomber missions with its P-47 Thunderbolts.

The unit defended the coast of Algeria during the summer and fall of 1943. Afterward, it operated primarily in support of Allied forces in Italy until the end of the war, bombing and strafing rail facilities, shipping docks, radar and transformer stations, power lines, bridges, motor transports, and military installations. From June to September 1943 each squadron was assigned two P-38s to intercept and destroy high-flying Luftwaffe reconnaissance aircraft sent to photograph the allied invasion fleet gathering along the North African coast for the invasion of Sicily.

It received a DUC for action in western Italy on 6 April 1944 when, despite intense flak and attacks by numerous enemy interceptors, the group flew ten missions, hitting troops, bridges, vehicles, barracks, and air warning installations. It also covered Allied landings on Elba in June 1944 and supported the invasion of southern France in August.

The First Brazilian Fighter Squadron joined the 350th Fighter Group as a fourth squadron in October 1944.

1st Lt Raymond L Knight was awarded the Medal of Honor for missions on 24 and 25 April 1945: voluntarily leading attacks through intense antiaircraft fire against enemy airdromes in northern Italy, Knight was responsible for eliminating more than 20 German planes intended for assaults on Allied forces attempting to return his shattered plane to base after an attack on 25 April, he crashed in the Apennines. Knight was the only member of the entire 12th AF in World War II to receive the Medal of Honor for heroism in the air.

As the war in Italy came to a close, the squadrons of the 350th FG were shuffled as eligible members were sent home and replacement personnel were brought in. Most boarded boats bound for the Pacific Theater, but never got there as the atomic bomb brought the war to an end.

The 350th FG moved to the port of embarkation at Naples, Italy, on 14 July 1945. On 1 August 1945, the group sailed for combat operations in the Pacific Theater. The atomic bombs were dropped on Japan while the Group was en route and provisioning in Panama City on the Pacific Ocean side of the Canal Zone. V-J day was declared, signaling the end of hostilities in World War II. The ship carrying the Group was directed to return to the US and the 350th Fighter Group and its American squadrons were inactivated on 7 November 1945, at Seymour Johnson Field, Goldsboro, NC, after three years and one month of operations. The inactivation was to last less than a year.

On 24 May 1946, the 350th was re-designated 112th Fighter Group and allotted to the Pennsylvania Air National Guard (PA-ANG). The 345th FS became the 146th Fighter Squadron, the 346th FS became the 147th Fighter Squadron and the 347th FS was redesignated the 148th Fighter Squadron.

The 112th Fighter Group continued flying P-47 Thunderbolts, and was extended federal recognition on 22 April 1947.


24–25 April 1945

MEDAL OF HONOR

RAYMOND L. KNIGHT

Rank and organization: First Lieutenant, U.S. Army Air Corps.

Place and date: In Northern Po Valley, Italy, 24-25 April 1945.

Entered service at: Houston, Texas. Nascer: Texas.

G.O. No.: 81, 24 September 1945.

Citação: First Lieutenant Raymond L. Knight on 24 and 25 April 1945 in the northern Po Valley, Italy, piloted a fighter-bomber aircraft in a series of low-level strafing missions, destroying 14 grounded enemy aircraft and leading attacks which wrecked 10 others during a critical period of the Allied drive in northern Italy. On the morning of 24 April, he volunteered to lead two other aircraft against the strongly defended enemy airdrome at Ghedi. Ordering his fellow pilots to remain aloft, he skimmed the ground through a deadly curtain of antiaircraft fire to reconnoiter the field, locating eight German aircraft hidden beneath heavy camouflage. He rejoined his flight, briefed them by radio, and then led them with consummate skill through the hail of enemy fire in a low-level attack, destroying five aircraft, while his flight accounted for two others. Returning to his base, he volunteered to lead three other aircraft in reconnaissance of Bergamo Airfield, an enemy base near Ghedi and one known to be equally well defended. Again ordering his flight to remain out of range of antiaircraft fire, Lieutenant Knight flew through an exceptionally intense barrage, which heavily damaged his Thunderbolt, to observe the field at minimum altitude. He discovered a squadron of enemy aircraft under heavy camouflage and led his flight to the assault. Returning alone after this strafing, he made 10 deliberate passes against the field despite being hit twice more by antiaircraft fire, destroying six fully loaded enemy twin-engine aircraft and two fighters. His skillfully led attack enabled his flight to destroy four other twin-engine aircraft and a fighter airplane. He then returned to his base in his seriously damaged airplane. Early the next morning, when he again attacked Bergamo, he sighted an enemy plane on the runway. Again he led three other American pilots in a blistering low-level sweep through vicious antiaircraft fire that damaged his airplane so severely that it was virtually nonflyable. Three of the few remaining enemy twin-engine aircraft at that base were destroyed. Realizing the critical need for aircraft in his unit, he declined to parachute to safety over friendly territory and unhesitatingly attempted to return his shattered airplane to his home field. With great skill and strength, he flew homeward until caught by treacherous air conditions in the Apennine Mountains, where he crashed and was killed. The gallant action of Lieutenant Knight eliminated the German aircraft which were poised to wreak havoc on Allied forces pressing to establish the first firm bridgehead across the Po River. His fearless daring and voluntary self-sacrifice averted possible heavy casualties among ground forces and the resultant slowing of the drive which culminated in the collapse of German resistance in Italy.

1st Lieutenant Raymond L. Knight with a battle-damaged Republic P-47D Thunderbolt fighter bomber. (Força aérea dos Estados Unidos)

Raymond Larry Knight was born 15 June 1922 in Houston, Texas. He was the third child of John Franklin Knight, a clerk, and Sarah Francis Kelly Knight. He attended John H. Reagan Senior High School in Houston, graduating in 1940.

Knight married Miss Johnnie Lee Kinchloe, also a 1940 graduate of Reagan High School, 5 June 1942. They had one son, Raymond Jr.

Knight enlisted as an aviation cadet in the United States Army Air Corps, 10 Oct 1942, and trained as a fighter pilot at various airfields in Texas. He graduated from flight school and was commissioned as a second lieutenant, May 1944. After advanced training, Knight was assigned to the 346th Fighter Squadron, 350th Fighter Group, 12th Air Force, at Tarquinia Airfield, Italy, in November 1944. He was promoted to first lieutenant in March 1945.

Lieutenant Knight flew 82 combat missions. He is credited with 14 enemy aircraft destroyed.

The Medal of Honor was presented to Mrs. Knight by Major General James Pratt Hodges at a ceremony at John H. Reagan Senior High School, 23 October 1945.

In addition to the Medal of Honor, Lieutenant Knight was also awarded the Distinguished Flying Cross, and the Air Medal with five oak leaf clusters (six awards).

The remains of 1st Lieutenant Raymond Larry Knight, United States Army Air Corps, are interred at the Houston National Cemetery, Houston, Texas.

1st Lieutenant Raymond L. Knight (at right) and crew chief Sergeant Marvin Childers, with Republic P-47D-27-RE Thunderbolt 42-26785, marked 6D5. This is the fighter bomber that he flew on the final mission. It was named “OH JOHNNIE” after his wife. (Força aérea dos Estados Unidos)

The Republic P-47 Thunderbolt was the largest single-engine fighter that had yet been built. The first P-47D variant was very similar to the preceding P-47C. The Thunderbolt which Raymond Knight flew on his final mission was a P-47D-27-RE, serial number 42-26785. He had named it OH JOHNNIE after his wife. The Thunderbolt’s bubble canopy had been introduced with the Block 25 series, and Block 27 added a dorsal fillet to improve longitudinal stability which had been diminished with the new aft fuselage configuration.

The P-47D-27-RE was 36 feet, 1¾ inches (11.017 meters) long with a wingspan of 40 feet, 9-3/8 inches (12.430 meters) The overall height was 14 feet, 7 inches (4.445 meters). The fighter’s empty weight was 10,700 pounds (4,853 kilograms) and maximum gross weight was 17,500 pounds (7,938 kilograms).

The P-47D-27-RE was powered by an air-cooled, supercharged and turbocharged 2,804.4-cubic-inch-displacement (45.956 liter) Pratt & Whitney Double Wasp TSB1-G (R-2800-59) two-row, 18-cylinder radial engine with a compression ratio of 6.65:1. The R-2800-59 had a Normal Power rating of 1,625 horsepower at 2,550 r.p.m. to 25,000 feet (7,620 meters) and a Takeoff/Military Power rating of 2,000 horsepower at 2,700 r.p.m. to an altitude of 25,000 feet (7,620 meters).¹ A large General Electric turbosupercharger was mounted in the rear of the fuselage. Internal ducts carried exhaust gases from the engine to drive the turbocharger. This supercharged air was then carried forward through an intercooler and then on to the carburetor to supply the engine. The engine’s mechanical supercharger further pressurized the air-fuel charge. The engine drove a 13 foot, 0 inch (3.962 meter) diameter four-bladed Curtiss Electric or Hamilton Standard Hydromatic propeller through a 2:1 gear reduction. The R-2800-59 was 6 feet, 3.72 inches (1.923 meters) long, 4 feet, 4.50 inches (1.340 meters) in diameter, and weighed 2,290 pounds (1,039 kilograms).

A flight of three Republic P-47 Thunderbolt fighters. (Força aérea dos Estados Unidos)

The P-47D had a maximum speed in level flight of 444 miles per hour (715 kilometers per hour) at 23,200 feet (7,071 meters) with 70 inches Hg manifold pressure (2.37 Bar), using water injection. The service ceiling was 40,000 feet (12,192 meters). It had a maximum range of 950 miles (1,529 kilometers) with internal fuel, and 1,800 miles (2,897 kilometers) with external tanks.

The Thunderbolt was armed with eight Browning AN-M2 .50-caliber machine guns, four in each wing, with 3,400 rounds of ammunition. It could also carry external fuel tanks, rockets and bombs. The structure of the P-47 could be described as “robust” and it was heavily armored. The amount of damage that the airplane could absorb and still return was remarkable.

A total of 15,683 Thunderbolts were built more than any other Allied fighter type. In aerial combat, it had a kill-to-loss ratio of 4.6:1. The P-47, though, really made its name as a ground attack fighter, destroying aircraft, locomotives, rail cars, and tanks by the many thousands. It was one of the most successful aircraft of World War II.


350th Fighter Group (USAAF) - History

The Swiss Mustangs were War veterans !

The Swiss Air Force had purchased its 130 Mustangs from USAAF-surplus stocks in Germany, and most of these aircraft had seen action during the closing stages of World War 2 over Europe with various units of the 8th and 9th USAAF. Among those aircraft, there is a number of 'famous' examples, i.e. flown by aces or taking part in special encounters. During the immediate post-war years, some remained stored at depots while others saw continuous duty with the Occupational Forces in Germany. The former history of more than 100 aircraft has been identified so far, and there are many very colourful and also famous airframes among them. Below some examples:

P-51D-20-NA 44-72374 LH-U "Betty E" was the mount of Lt. Col. Wayne K. "Blick" Blickenstaff, CO of the 350th FS 353rd FG. He is one of the rare 'ace in a day', i.e. he shot down 5 enemy aircraft on one mission, while flying this aircraft on 24th March 1945. In February 1948, this aircraft became Swiss Air Force J-2002.

P-51D-20-NA 44-72199 G4-A was assigned to Capt. Charles E. 'Chuck" Weaver of the 362nd FS 357th FG in 1945. Weaver also was an ace and he managed to shoot down a German Me-262 Jet Fighter on 18th April 1945 while flying this aircraft. In February 1948, this aircraft became Swiss Air Force J-2019 - see photo below


350th Fighter Group (USAAF) - History

First Mission: 12 Aug. 1943
Last Mission: 3 May 1945
Total sorties:447
Aircraft MIA: 137

Claims: Air 330 air 414 ground.

Major Awards:

Distinguished Unit Citation: 17 - 23 Sep. 1944: support of airborne landings in Holland

Unit Claims to Fame

Pioneered the P-47 dive-bombing and ground attack technique adopted by both 8 and 9 AFs. Walter Beckham was leading 8AF ace at time of his loss

Early History:

Activated 1 Oct. 1942 at Mitchel Field, NY. Unit established at Richmond AAB, Va. thereafter transferring to Baltimore MAP, Md. Iate in Oct. 1942. Trained with P-40s until Feb. 1943 when a few P-47s were assigned. Continued training with P-47s until alerted for overseas movement on May 1943. Sailed on the Queen Mary on 1 Jun. 1943 and arriving at Clyde on 6 Jun.1943.

Many personnel transferred after VE-day. The aircraft were sent to depots on Aug 1945. The group returned to the US on Oct. 1945, Group then sailed on the Queen Mary from Southampton on 11 Oct.1945 and arrived in New York on the 16 Oct.1945. Group re-established at Camp Kilmer and inactivated there on 18 Oct. 1945. Redesignated the 116 FG and allotted to Ga ANG in May 1946. Equiped with F-80s and later F-84 aircraft. Group was sent to Korean war from Jul. 1951 to Jul. 1952, then redesignated as a regular USAF wing. 116 FG reestablished in Ga ANG, later redesignated as a transport unit flying C-97 and then C-124. On 9 Aug. 1943 353FG provided 16 aircraft to fly as fourth sqdn. with 56th FG.

Code: LH Callsign: Pipeful
to 22 April '44 then:
Seldom (A Group)
Persian (B Group)



Lt. Dwight A Fry. 350th Fighter Squadron. Seen here in the cockpit of his P-47D 42-8513 LH-Y "Eager Beaver". Lt. Fry was one of the original cadre of the 350th and the first to be assigned to LH-Y.

Lt. Robert F Unangst Sr. 350th Fighter Squadron. P-47D 42-26656 LH-D "Ernestyne".

Maj. William J Price. 350th Fighter Squadron. P-51D 44-14419 LH-F "Janie".

Capt. Joseph E "Jed" Dyer. 350th Fighter Squadron. P-51D 44-63197 LH-L "Mascara Maggie" with Harold Jung's Miss Ellen seen in background.

Dyer named his after his mother who at one time worked at Elizabeth Arden cosmetics in New York.


Lt. Richard A Stearns. 350th Fighter Squadron. P-47D 42-8499 LH-Y "The Georgia Peach".


Lt. George W Robison. 350th Fighter Squadron. P-51D 44-11193 LH-Y "Marilyn II ".

Lt. James G Bartley. 352nd Fighter Squadron. P-51D 44-14095 SX-B_ "Little Midget" (L) "Missy" (R).


Abernathy, Robert , Capt



Lt. Dwight A Fry. 350th Fighter Squadron. Seen here in the cockpit of his P-47D 42-8513 LH-Y "Eager Beaver". Lt. Fry was one of the original cadre of the 350th and the first to be assigned to LH-Y.

Lt. Robert F Unangst Sr. 350th Fighter Squadron. P-47D 42-26656 LH-D "Ernestyne".

Maj. William J Price. 350th Fighter Squadron. P-51D 44-14419 LH-F "Janie".

Capt. Joseph E "Jed" Dyer. 350th Fighter Squadron. P-51D 44-63197 LH-L "Mascara Maggie" with Harold Jung's Miss Ellen seen in background.

Dyer named his after his mother who at one time worked at Elizabeth Arden cosmetics in New York.


Lt. Richard A Stearns. 350th Fighter Squadron. P-47D 42-8499 LH-Y "The Georgia Peach".


Lt. George W Robison. 350th Fighter Squadron. P-51D 44-11193 LH-Y "Marilyn II ".

Lt. James G Bartley. 352nd Fighter Squadron. P-51D 44-14095 SX-B_ "Little Midget" (L) "Missy" (R).


Assista o vídeo: F-5 Aggressors vs. Helos Air to Air Demo - MCAS Yuma Airshow 2019 (Pode 2022).