Podcasts de história

Johann Sebastian Bach - História

Johann Sebastian Bach - História


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Um dos maiores gênios musicais da história, este compositor alemão criou uma riqueza de literatura musical. O desenvolvimento da polifonia é sua conquista mais importante. Entre suas obras: O Cravo Bem Temperado, Paixão de São Mateus, Missa em Si Menor, os Concertos de Brandemburgo e as Variações Goldberg.

Caderno de Anna Magdalena Bach

O título Caderno de Anna Magdalena Bach (Alemão: Notenbüchlein für Anna Magdalena Bach) refere-se a qualquer um dos dois cadernos manuscritos que o compositor barroco alemão Johann Sebastian Bach apresentou à sua segunda esposa, Anna Magdalena. Música de teclado (minuetos, rondeaux, polonaises, corais, sonatas, prelúdios, musettes, marchas, gavottes) compõe a maior parte de ambos os cadernos, e algumas peças para voz (canções e árias) estão incluídas.

Os Notebooks fornecem um vislumbre da música doméstica do século 18 e dos gostos musicais da família Bach.


Quem foi Bach?

Johann Sebastian Bach (1685-1750) é um dos grandes compositores da história musical ocidental. Ele nasceu em Eisenach, Alemanha, em uma família de músicos trabalhadores. Em 1695, quando ele tinha apenas nove anos, seus pais morreram e ele foi enviado para morar com seu irmão, Johann Christoph, um organista. Enquanto morava com seu irmão, ele aprendeu teclado e estudou composição por conta própria.

Ele trabalhou como organista, depois como compositor da corte em Cöthen (agora Köthen) e depois como diretor musical na igreja de St Thomas em Leipzig, produzindo muitas centenas de obras corais e instrumentais (e centenas de milhares de páginas de partes manuscritas).

Bach se casou duas vezes e teve oito filhos sobreviventes, três dos quais se tornaram compositores notáveis ​​por seus próprios méritos. Ele era um homem religioso devoto e conheceu a tragédia: sua primeira esposa morreu repentinamente enquanto ele estava fora a negócios 12 de seus 20 filhos morreram na infância, um de seus filhos teve graves dificuldades de aprendizagem e outro fugiu de casa na adolescência e morreu em circunstâncias misteriosas. Com os patrões, que raramente apreciavam seus talentos, ele era animado e argumentativo em uma reunião familiar com alguns drinques e um cachimbo de tabaco; no entanto, era extremamente bem-humorado, especialmente quando o clã Bach se revezava para improvisar rudes canções country.


Conteúdo

  • Singet dem Herrn ein neues Lied (Cante ao Senhor uma nova canção), BWV 225, é um moteto em si bemol maior marcado para dois coros de quatro vozes (SATB) que foi executado pela primeira vez em Leipzig por volta de 1727. Este moteto usa o Salmo 149: 1-3 para seu primeiro movimento, a terceira estrofe de "Nun lob, mein Seel, den Herren" (um hino de 1530 após o Salmo 103 de Johann Gramann) para o segundo movimento e o Salmo 150: 2 e 6 para o terceiro movimento. [6]
  • Der Geist hilft unser Schwachheit auf (O Espírito ajuda a nossa fraqueza), BWV 226, um moteto em si bemol maior marcado para dois coros de quatro vozes, foi apresentado em Leipzig em 1729 para o funeral de Johann Heinrich Ernesti. O texto é retirado da Epístola aos Romanos (Romanos 8: 26-27) e da terceira estrofe de Martinho Lutero ao hino "Komm, Heiliger Geist, Herre Gott" (1524). [citação necessária]
  • Jesu, meine freude (Jesus, alegria minha), BWV 227, é um moteto em mi menor para cinco partes vocais. Isso foi sugerido [por quem?] que foi composta em 1723 para o funeral de Johanna Maria Käsin, esposa do agente do correio de Leipzig. O título vem do hino "Jesu, meine Freude" de Johann Franck no qual se baseia. As estrofes do coral são intercaladas com passagens da Epístola aos Romanos. A melodia coral na qual vários movimentos são baseados foi de Johann Crüger (1653). O texto em alemão é de Johann Franck e data de c. 1650. [citação necessária]
  • Fürchte dich nicht (Não tema), BWV 228, é um moteto em lá maior para um funeral, definido para refrão duplo e instrumentos não especificados tocando colla parte. A obra em dois movimentos extrai seu texto do Livro de Isaías e um hino de Paul Gerhardt. Tradicionalmente, os estudiosos acreditavam que Bach o compôs em Leipzig em 1726, enquanto estudos mais recentes sugerem, por razões estilísticas, que ele foi composto durante o período de Weimar de Bach. Foi comparado a outro moteto para coro duplo, Ich lasse dich nicht, BWV Anh. 159, possivelmente de Bach. [7]
  • Komm, Jesu, Komm (Venha, Jesus, venha), BWV 229, é um moteto em Sol menor composto em Leipzig, que recebeu sua primeira apresentação em 1731-1732. [citação necessária]
  • Lobet den Herrn, alle Heiden (Louvado seja o Senhor, todos vós, pagãos), BWV 230, é um moteto em dó maior marcado para quatro vozes, que extrai seu texto do Salmo 117: 1-2. Embora alguns estudiosos tenham expressado dúvidas sobre a atribuição a Bach, o trabalho é geralmente considerado um moteto sobrevivente por Bach. [citação necessária]
  • Sei Lob und Preis mit Ehren, originalmente BWV 231, posteriormente renumerado para BWV 28 / 2a, é o segundo movimento do moteto Jauchzet dem Herrn alle Welt, apresentado como um moteto separado. Não se sabe se Bach extraiu este moteto (que é baseado no segundo movimento da cantata BWV 28) do moteto de três movimentos ou da cantata e / ou o usou como um moteto separado. [8] [9] [10]: originalmente listado como uma cantata, em BWV 2a listado como um moteto (funeral). [11] [12]
    , após o Stabat Mater de Pergolesi, é indicado como Motetto, ou seja, moteto, no cabeçalho do manuscrito de Bach do arranjo. [13] [14], um coral de um oratório pasticcio passion, é uma paródia do moteto Tristis est anima mea que provavelmente foi composta por Johann Kuhnau. O arranjo é possivelmente de Bach, e é possível que Bach o tenha usado como um moteto (funeral) separado. [15] [16] [17]
  • Ich lasse dich nicht (Eu não vou deixar você ir [a menos que você me abençoe]), BWV Anh. 159, é um moteto em Fá menor pontuado para coro duplo (SATB – SATB) e instrumentos não especificados tocando colla parte. O moteto, que foi anteriormente atribuído ao primo mais velho de Bach, Johann Christoph Bach, parece ser uma das primeiras obras de Bach, possivelmente composta durante seu período de Weimar por volta de 1712. [7] Consequentemente, o moteto foi movido de BWV Anh. III (obras espúrias) para BWV Anh. II (trabalhos duvidosos) em BWV 2a. [18] O coral final do moteto é uma adaptação do BWV 421, mas também pode ser uma adição posterior ao moteto. [19] Ele extrai seu texto de um versículo retirado do Livro do Gênesis, da cena da Escada de Jacó (Gênesis 32:27), combinado com a terceira estrofe do hino "Warum betrübst du dich, mein Herz" de Erasmus Alberus . [citação necessária]
  • Jauchzet dem Herrn alle Welt, BWV Anh. 160 (= TWV 8:10) é um pasticcio moteto de três movimentos para SATB – SATB atribuído a, entre outros, Bach e Georg Philipp Telemann. Tudo o que é certo a respeito da participação de Bach na obra é que seu segundo movimento deriva do segundo movimento da cantata de Bach BWV 28. [8] [20], BWV Anh. 161, em Ré maior para SATB, cordas (?) E contínuo, de Graun (possivelmente Carl Heinrich Graun), precede os laudos A e B do Magnificat de Bach em um moteto pasticcio de Natal de três movimentos. [21]
  • Lob und Ehre und Weisheit und Dank, BWV Anh. 162, para SATB – SATB, de Georg Gottfried Wagner. [22] [23]
  • Merk auf, mein Herz, und sieh dorthin, BWV Anh. 163, para SATB – SATB, de Johann Bernhard ou Johann Ernst Bach. [24] [25], para SSATB, por Johann Christoph Altnickol, genro de Bach. [26] [27], para SATB, após os movimentos 2, 4 e 6 da cantata Mein Odem ist Schwach, BWV 222, de Johann Ernst Bach. [28] [29]
  • precedido por I: em Anh. I (obras perdidas) de BWV 1 (primeira edição de 1950 do BWV)
  • precedido por II: em Anh. II (trabalhos duvidosos) de BWV 1
  • precedido por III: em Anh. III (obras espúrias) de BWV 1
  • precedido por N: novo Anh. números em BWV 2 (1990) e / ou BWV 2a (1998)
  • Capítulos do catálogo principal indicados por algarismos arábicos (1-13)
  • Anh. seções indicadas por algarismos romanos (I – III)
  • Reconstruções publicadas no NBE indicadas por "R"
    (Vol. 1-34: cantatas de igreja agrupadas por ocasião Vol. 35-40: cantatas seculares Vol. 41: Varia) (12 volumes), Chorales, Lieder (4 volumes) (11 volumes) (14 volumes) (5 volumes) (7 volumes), Oferta Musical, Arte da Fuga (3 volumes)
  1. Adendos (aproximadamente 7 volumes)
  • "depois" - indicando um modelo para a composição
  • "por" - indicando o compositor da composição (se for diferente de Johann Sebastian Bach)
  • "in" - indicando a fonte mais antiga conhecida para a composição
  • "pasticcio"- indicando uma composição com partes de origem diferente
  • "ver" - composição renumerada em uma edição posterior do BWV
  • "texto" - por autor do texto, ou, na fonte

A proveniência de textos e melodias padrão, como hinos luteranos e suas melodias corais, textos litúrgicos latinos (por exemplo, Magnificat) e melodias comuns (por exemplo, Folia), não são normalmente indicados nesta coluna. Para obter uma visão geral desses recursos usados ​​por Bach, consulte artigos de composição individual e visões gerais em, por exemplo, Cantata coral (Bach) # Cantatas corais de Bach, Lista de harmonizações corais de Johann Sebastian Bach # Harmonizações corais em várias coleções e Lista de composições de órgão por Johann Sebastian Bach # Chorale Preludes.

Edição de Publicações

St. Thomas School, Leipzig, parece ter mantido o [ que? ] motetos no repertório de seu Thomanerchor após a morte de Bach. Está documentado que o coro tocou Singet dem Herrn para Mozart em 1789. O diretor nesta ocasião foi o Thomaskantor Johann Friedrich Doles, aluno de Bach. O interesse pelos motetos de Bach foi suficiente para que seis deles fossem impressos pela primeira vez em 1802/1803. Eles apareceram em dois volumes da editora de Leipzig Breitkopf & amp Härtel. O editor não é creditado na página de título [3], no entanto, foi sugerido [ por quem? ] que o responsável era Johann Gottfried Schicht, ativo na cidade como regente de coral e orquestra.

  • Singet dem Herrn ein neues Lied (BWV 225)
  • Fürchte dich nicht (BWV 228)
  • Ich lasse dich nicht (BWV Anh. 159)
  • Komm, Jesu, Komm (BWV 229)
  • Jesu, meine freude (BWV 227)
  • Der Geist hilft unser Schwachheit auf (BWV 228)

Em 1892, os motetos foram publicados como parte do Bach-Gesellschaft-Ausgabe, a primeira edição das obras completas do compositor. O editor foi Franz Wüllner, que não aceitou a autoria de Bach de Ich lasse dich nicht. [33] O volume do moteto da Nova Edição de Bach (a segunda edição das obras completas do compositor) foi lançado em 1965. Inclui Ó Jesus Cristo, mein Lebens Licht (que havia sido incluída entre as cantatas no Bach-Gesellschaft-Ausgabe) e Lobet den Herrn. Os motetos foram publicados pela Carus-Verlag em 1975, editados por Günter Graulich, e novamente em 2003, sete composições editadas por Uwe Wolf. [34]

Edição de gravações

A maioria das gravações dos motetos de Bach foi feita desde a Segunda Guerra Mundial. O Thomanerchor, por exemplo, gravou um set na década de 1950. [35] No entanto, houve várias gravações dos motetos antes da guerra. A primeira gravação de um moteto de Bach foi uma versão de 1927 de Jesu, meine freude. [36]

Um único CD pode conter o conjunto de seis motetos (BWV 225–230) mais outras obras. Uma das decisões que precisam ser feitas é quais motetos incluir. Outra decisão é quantas vozes usar por parte. Os motetes foram gravados com uma voz por parte por Konrad Junghänel. A maioria das gravações envolve mais de um cantor por parte, por exemplo, Masaaki Suzuki e seu Bach Collegium Japan usam um coro de dezoito cantores. [37]


21 de março de 1685 - 28 de julho de 1750

Johann Sebastian Bach nasceu em Eisenach, Alemanha, onde seu pai era músico da cidade. Bach veio de uma longa linha de compositores - mais de 300 anos de Bachs, todos trabalharam como músicos profissionais. Quando Johann tinha 10 anos, seus pais haviam morrido, então ele foi criado por seu irmão mais velho, que era organista de igreja. Johann também se tornou um ótimo organista.

Johann Sebastian Bach teve três empregos importantes em sua vida: primeiro ele trabalhou para um duque, depois para um príncipe e, finalmente, ele se tornou diretor de música na Igreja e Escola St. Thomas em Leipzig, Alemanha. Embora seu trabalho em Leipzig o mantivesse muito ocupado, nas horas vagas Bach conduzia um grupo de músicos que gostava de se reunir para se apresentar em um café local.

Durante sua vida, as pessoas pensaram em Bach apenas como um músico de trabalho comum. Ninguém realmente sabia muito sobre sua música até 100 anos após sua morte, quando outro compositor, Felix Mendelssohn, conduziu uma apresentação da Paixão de São Mateus de Bach.

Bach agora é visto como um dos maiores gênios da história da música. Ele escreveu todos os tipos de música - para órgão e outros instrumentos de teclado, orquestras, coros e concertos para muitas combinações instrumentais diferentes.

Concerto de Brandemburgo nº 2: Movimento 1

Duração: 5:51
Composta em 1721 (período barroco)
Interpretada por Capella Istropolitana Bohdan Warchal, maestro

Educadores, há um Plano de Aula disponível neste site para Johann Sebastian Bach. Clique aqui para saber mais.


Renascimento da música

Depois de 1800, o renascimento da música de Bach ganhou força. O escritor alemão Johann Nikolaus Forkel publicou um estudo sobre a vida e a arte de Bach em 1802 e atuou como consultor dos editores Hoffmeister e Kühnel, cuja edição coletiva, iniciada em 1801, foi interrompida pelas atividades de Napoleão. Em 1829, uma seleção representativa de música para teclado estava, no entanto, disponível, embora muito poucas das obras vocais fossem publicadas. Mas naquele ano o músico alemão Eduard Devrient e o compositor alemão Felix Mendelssohn deram o próximo passo com a apresentação centenária do Paixão de São Mateus. Isso e o São João Paixão foram ambos publicados em 1830, o Missa em Si Menor seguido (1832–45). A editora de Leipzig, Peters, começou uma edição coletiva de “piano” e obras instrumentais em 1837, as obras de órgão seguiram em 1844-52.

Incentivada por Robert Schumann, a Bach-Gesellschaft (BG) foi fundada no ano do centenário de 1850, com o objetivo de publicar as obras completas. Em 1900 todas as obras conhecidas foram impressas, e o BG foi sucedido pelo Neue Bach-Gesellschaft (NBG), que ainda existe, organizando festivais e publicando edições populares. Sua principal publicação é seu jornal de pesquisa, o Bach-Jahrbuch (a partir de 1904). Em 1950, as deficiências da edição BG tornaram-se dolorosamente óbvias, e o Bach-Institut foi fundado, com sede em Göttingen e Leipzig, para produzir uma nova edição padrão (o Neue Bach-Ausgabe, ou NBA), uma publicação que acabou ultrapassando 100 volumes.

Em retrospecto, o renascimento de Bach, que remonta a 1800, pode ser reconhecido como o primeiro exemplo conspícuo da exumação deliberada da música antiga, acompanhada por estudos biográficos e críticos. O avivamento também serviu de inspiração e modelo para trabalhos subsequentes de tipo semelhante.

Entre as obras biográficas e críticas sobre Bach, a mais importante foi o estudo monumental Johann Sebastian Bach, 2 vol. (1873-80), do musicólogo alemão Philipp Spitta, cobrindo não apenas a vida e as obras de Bach, mas também uma boa parte do contexto histórico. Embora errado em muitos detalhes, o livro ainda é indispensável ao aluno de Bach.


Introdução

Figura 1. Retrato de Bach, 61 anos, Haussmann, 1748

Johann Sebastian Bach (31 de março de 1685-28 de julho de 1750) foi um compositor e músico alemão do período barroco. Ele enriqueceu os estilos alemães estabelecidos por meio de sua habilidade em contraponto, organização harmônica e motívica e na adaptação de ritmos, formas e texturas do exterior, particularmente da Itália e da França. As composições de Bach & # 8217s incluem o Concertos de Brandemburgo, a Variações Goldberg, a Missa em Si menor, duas Paixões, e mais de trezentas cantatas sagradas das quais quase duzentas sobreviveram. Sua música é reverenciada por seu domínio técnico, beleza artística e profundidade intelectual.

Bach nasceu em Eisenach, Saxe-Eisenach, em uma grande família musical. Seu pai, Johann Ambrosius Bach, era o diretor dos músicos da cidade, e todos os seus tios eram músicos profissionais. Seu pai provavelmente o ensinou a tocar violino e cravo, e seu irmão, Johann Christoph Bach, ensinou-lhe o clavicórdio e o expôs a muitas músicas contemporâneas. Aparentemente por iniciativa própria, Bach frequentou a Escola St. Michael & # 8217s em Lüneburg por dois anos. Depois de se formar, ele ocupou vários cargos musicais em toda a Alemanha: ele serviu como Kapellmeister (diretor de música) para Leopold, Príncipe de Anhalt-Köthen, Cantor da Thomasschule em Leipzig e Compositor da Corte Real para Augusto III. A saúde e a visão de Bach declinaram em 1749, e ele morreu em 28 de julho de 1750. Historiadores modernos acreditam que sua morte foi causada por uma combinação de derrame e pneumonia.

As habilidades de Bach como organista foram respeitadas em toda a Europa durante sua vida, embora ele não tenha sido amplamente reconhecido como um grande compositor até um renascimento do interesse e apresentações de sua música na primeira metade do século XIX. Ele agora é geralmente considerado um dos maiores compositores de todos os tempos.

Infância (1685-1703)

Johann Sebastian Bach nasceu em Eisenach, Saxe-Eisenach, em 31 de março de 1685. Ele era filho de Johann Ambrosius Bach, o diretor dos músicos da cidade, e de Maria Elisabeth Lämmerhirt. Ele era o oitavo filho de Johann Ambrosius (o filho mais velho da família tinha 14 anos na época do nascimento de Bach), que provavelmente lhe ensinou violino e os fundamentos da teoria musical. Seus tios eram todos músicos profissionais, cujos postos incluíam organistas de igreja, músicos de câmara da corte e compositores. Um tio, Johann Christoph Bach (1645-93), apresentou-o ao órgão, e um primo de segundo grau mais velho, Johann Ludwig Bach (1677-1731), era um compositor e violinista conhecido. Bach elaborou uma genealogia por volta de 1735, intitulada & # 8220Origin of the musical Bach family. & # 8221

A mãe de Bach morreu em 1694 e seu pai morreu oito meses depois. Bach, de 10 anos, foi morar com seu irmão mais velho, Johann Christoph Bach (1671–1721), o organista da Igreja de St. Michael & # 8217s em Ohrdruf, Saxe-Gotha-Altenburg. Lá, ele estudou, tocou e copiou música, incluindo seu próprio irmão & # 8217s, apesar de ter sido proibido de fazê-lo porque as partituras eram tão valiosas e particulares, e o papel-livro em branco desse tipo era caro. Ele recebeu ensinamentos valiosos de seu irmão, que o instruiu no clavicórdio. JC Bach o expôs às obras de grandes compositores da época, incluindo compositores da Alemanha do Sul, como Johann Pachelbel (com quem Johann Christoph estudou) e Johann Jakob Froberger compositores da Alemanha do Norte, franceses, como Jean-Baptiste Lully, Louis Marchand, Marin Marais e o clavier italiano Girolamo Frescobaldi. Também durante este tempo, ele aprendeu teologia, latim, grego, francês e italiano no ginásio local.

Aos 14 anos, Bach, junto com seu amigo de escola Georg Erdmann, foi premiado com uma bolsa de estudo do coral para estudar na prestigiosa Escola St. Michael & # 8217s em Lüneburg, no Principado de Lüneburg. Embora não se saiba ao certo, a viagem provavelmente foi feita principalmente a pé. Seus dois anos lá foram cruciais para expô-lo a uma faceta mais ampla da cultura europeia. Além de cantar no coro, ele tocou o órgão de três manuais e cravos da School & # 8217s. Ele entrou em contato com filhos de nobres do norte da Alemanha enviados para a escola altamente seletiva para se preparar para carreiras em outras disciplinas.

Enquanto em Lüneburg, Bach teve acesso à Igreja de São João & # 8217s e possivelmente usou o famoso órgão da igreja, construído em 1549 por Jasper Johannsen, já que era tocado por seu professor de órgão, Georg Böhm. Dado seu talento musical, Bach teve um contato significativo com Böhm enquanto estudante em Lüneburg, e também fez viagens para a vizinha Hamburgo, onde observou & # 8220o grande organista do norte da Alemanha Johann Adam Reincken. & # 8221 Stauffer relata a descoberta em 2005 do órgão tablaturas que Bach escreveu quando ainda era adolescente de obras de Reincken e Dieterich Buxtehude, mostrando & # 8220 um adolescente disciplinado, metódico e bem treinado profundamente comprometido em aprender seu ofício. & # 8221

Weimar, Arnstadt e Mühlhausen (1703–1708)

Figura 2. Igreja de São Bonifácio e # 8217s, Arnstadt

Em janeiro de 1703, logo após se formar na St. Michael & # 8217s e ser rejeitado para o cargo de organista em Sangerhausen, Bach foi nomeado músico da corte na capela do duque Johann Ernst III em Weimar. Seu papel lá não é claro, mas provavelmente incluía tarefas servis e não musicais. Durante seu mandato de sete meses em Weimar, sua reputação como tecladista se espalhou tanto que ele foi convidado para inspecionar o novo órgão e dar o recital inaugural, na Igreja de St. Boniface & # 8217s em Arnstadt, localizada a cerca de 30 quilômetros (19 milhas ) a sudoeste de Weimar. Em agosto de 1703, ele se tornou o organista da St. Boniface & # 8217s, com tarefas leves, um salário relativamente generoso e um novo órgão excelente sintonizado no moderno sistema temperado que permitia o uso de uma ampla gama de teclas.

Apesar de fortes conexões familiares e um empregador musicalmente entusiasmado, a tensão aumentou entre Bach e as autoridades após vários anos no cargo. Bach estava insatisfeito com o padrão dos cantores no coro, enquanto seu empregador estava chateado com sua ausência não autorizada de Arnstadt. Bach partiu por vários meses em 1705–06, para visitar o grande organista e compositor Dieterich Buxtehude e seu Abendmusikenat St. Mary & # Igreja 8217 na cidade de Lübeck, no norte do país. A visita a Buxtehude envolveu uma jornada de 450 quilômetros (280 milhas) em cada sentido, supostamente a pé.

Em 1706, Bach recebeu a oferta de um cargo como organista na Igreja de St. Blasius & # 8217s em Mühlhausen, que assumiu no ano seguinte. Incluía remuneração significativamente mais alta, melhores condições e um coro melhor. Quatro meses depois de chegar a Mühlhausen, Bach casou-se com Maria Barbara Bach, sua prima em segundo grau. Eles tiveram sete filhos, quatro dos quais sobreviveram à idade adulta, incluindo Wilhelm Friedemann Bach e Carl Philipp Emanuel Bach, que também se tornaram compositores importantes. Bach conseguiu convencer a igreja e o governo da cidade de Mühlhausen a financiar uma cara reforma do órgão da Igreja de St. Blasius & # 8217s. Bach, por sua vez, escreveu uma cantata festiva e elaborada - Gott ist mein König (BWV 71) - para a inauguração do novo conselho em 1708. O conselho pagou generosamente por sua publicação e foi um grande sucesso.

Voltar para Weimar (1708-17)

Em 1708, Bach deixou Mühlhausen, retornando a Weimar desta vez como organista e a partir de 1714 Konzertmeister (diretor de música) na corte ducal, onde teve a oportunidade de trabalhar com um grande e bem financiado contingente de músicos profissionais. Bach mudou-se com sua família para um apartamento muito perto do palácio ducal. No ano seguinte, seu primeiro filho nasceu e Maria Barbara e a irmã solteira mais velha juntaram-se a eles. Ela permaneceu para ajudar a administrar a casa até sua morte em 1729.

O tempo de Bach em Weimar foi o início de um período sustentado de composição de obras para teclado e orquestra. Ele alcançou a proficiência e a confiança para estender as estruturas vigentes e incluir influências do exterior. Ele aprendeu a escrever aberturas dramáticas e empregar os ritmos motores dinâmicos e esquemas harmônicos encontrados na música de italianos como Vivaldi, Corelli e Torelli. Bach absorveu esses aspectos estilísticos em parte ao transcrever os concertos de cordas e sopro de Vivaldi & # 8217 para cravo e órgão, muitas dessas obras transcritas ainda são executadas regularmente. Bach sentiu-se particularmente atraído pelo estilo italiano, no qual um ou mais instrumentos solo alternam seção por seção com a orquestra completa ao longo de um movimento.

Em Weimar, Bach continuou a tocar e compor para órgão e a apresentar concertos com o duke & # 8217s ensemble. Ele também começou a escrever os prelúdios e fugas que mais tarde foram reunidos em sua obra monumental O cravo bem temperado ( Das Wohltemperierte Clavier& # 8220Clavier & # 8221 significando clavicórdio ou cravo), consistindo em dois livros, compilados em 1722 e 1744, cada um contendo um prelúdio e uma fuga em cada tonalidade maior e menor.

Ouça: Prelúdio nº 1 em dó maior (BWV 846)

Por favor, ouça a seguinte performance de O cravo bem temperado, Livro 1, executado no cravo por Robert Schröter.

Também em Weimar Bach começou a trabalhar na Livrinho de órgão, contendo corais luteranos tradicionais (melodias de hinos) em texturas complexas. Em 1713, Bach recebeu uma oferta de um cargo em Halle quando aconselhou as autoridades durante uma reforma por Christoph Cuntzius do órgão principal na galeria oeste da Igreja do Mercado de Nossa Senhora. Johann Kuhnau e Bach jogaram novamente quando foi inaugurado em 1716.

Na primavera de 1714, Bach foi promovido a Konzertmeister , uma homenagem que consistia na realização mensal de uma cantata eclesiástica na igreja do castelo. As três primeiras cantatas de Bach compostas em Weimar foram Himmelskönig, sei willkommen, BWV 182, para Domingo de Ramos, que coincidiu com a Anunciação daquele ano, Weinen, Klagen, Sorgen, Zagen, BWV 12, para o Domingo de Jubilação, e Erschallet, ihr Lieder, erklinget, ihr Saiten! BWV 172 para Pentecostes. Bach & # 8217s primeira cantata de Natal Christen, ätzet diesen Tag, BWV 63 foi estreado em 1714 ou 1715.

Em 1717, Bach acabou caindo em desgraça em Weimar e foi, de acordo com uma tradução do relatório do secretário do tribunal & # 8217s, preso por quase um mês antes de ser demitido desfavoravelmente: & # 8220Em 6 de novembro de [1717], o mestre de concertos de quondam e o organista Bach foi confinado ao local de detenção do County Judge & # 8217 por teimosamente forçar a questão de sua demissão e, finalmente, em 2 de dezembro foi libertado da prisão com notificação de sua demissão desfavorável. & # 8221

Köthen (1717-23)

Figura 3. O autógrafo da Sonata para violino nº 1 em Sol menor de Bach & # 8217s (BWV 1001)

Leopold, Príncipe de Anhalt-Köthen contratou Bach para servir como seu Kapellmeister (diretor de música) em 1717. O Príncipe Leopold, ele mesmo um músico, apreciava os talentos de Bach & # 8217, pagava-lhe bem e deu-lhe considerável liberdade para compor e se apresentar. O príncipe era calvinista e não usava música elaborada em seu culto de acordo, a maior parte do trabalho de Bach & # 8217s deste período era secular, incluindo as suítes orquestrais, as suítes para violoncelo, as sonatas e partitas para violino solo, e o Concertos de Brandemburgo. Bach também compôs cantatas seculares para a corte, como Die Zeit, die Tag und Jahre macht, BWV 134a. Uma influência significativa no desenvolvimento musical de Bach & # 8217 durante seus anos com o Príncipe foi registrada por Stauffer como Bach & # 8217s & # 8220 abraço completo da dance music, talvez a influência mais importante em seu estilo maduro além de sua adoção da música de Vivaldi & # 8217s em Weimar. & # 8221

Apesar de ter nascido no mesmo ano e apenas cerca de 130 quilômetros (81 milhas) um do outro, Bach e Handel nunca se conheceram. Em 1719, Bach fez a viagem de 35 quilômetros (22 milhas) de Köthen a Halle com a intenção de encontrar Handel, no entanto Handel havia deixado a cidade. Em 1730, o filho de Bach, Wilhelm Friedemann, viajou para Halle para convidar Handel a visitar a família Bach em Leipzig, mas a visita não aconteceu.

Em 7 de julho de 1720, enquanto Bach viajava para Carlsbad com o príncipe Leopold, a primeira esposa de Bach morreu repentinamente. No ano seguinte, ele conheceu Anna Magdalena Wilcke, uma jovem soprano altamente talentosa dezessete anos mais nova, que se apresentou na corte em Köthen com os quais se casaram em 3 de dezembro de 1721. Juntos, eles tiveram mais treze filhos, seis dos quais sobreviveram até a idade adulta: Gottfried Heinrich Elisabeth Juliane Friederica (1726-81), que se casou com o aluno de Bach & # 8217, Johann Christoph Altnickol Johann Christoph Friedrich e Johann Christian, que se tornaram músicos importantes Johanna Carolina (1737-81) e Regina Susanna (1742-1809).

Leipzig (1723-50)

Em 1723, Bach foi nomeado Thomaskantor, Cantor da Thomasschule na Thomaskirche (Igreja de São Tomás) em Leipzig que serviu quatro igrejas na cidade, a Thomaskirche, a Nikolaikirche (Igreja de São Nicolau), a Neue Kirche e a Peterskirche, e diretor musical de funções públicas como como eleições para vereadores e homenagens. Este foi um posto de prestígio na cidade mercantil do Eleitorado da Saxônia, que ocupou por 27 anos até sua morte. Isso o colocou em contato com as maquinações políticas de seu empregador, o conselho municipal de Leipzig.

Bach era obrigado a instruir os alunos da Thomasschule a cantar e a fornecer música sacra para as principais igrejas de Leipzig. Bach foi obrigado a ensinar latim, mas foi autorizado a contratar um deputado para fazer isso. Uma cantata era exigida para os serviços religiosos aos domingos e feriados religiosos adicionais durante o ano litúrgico. Ele costumava apresentar suas próprias cantatas, a maioria das quais composta durante seus primeiros três anos em Leipzig. O primeiro deles foi Die Elenden sollen Essen, BWV 75, realizado pela primeira vez na Nikolaikirche em 30 de maio de 1723, o primeiro domingo após Trinity. Bach colecionava suas cantatas em ciclos anuais. Cinco são mencionados em obituários, três ainda existem. Das mais de trezentas cantatas que Bach compôs em Leipzig, mais de cem foram perdidas para a posteridade. A maioria dessas obras combinadas expõe as leituras do Evangelho prescritas para todos os domingos e dias festivos do ano luterano. Bach iniciou um segundo ciclo anual no primeiro domingo após a Trindade de 1724, e compôs apenas cantatas corais, cada uma baseada em um único hino da igreja. Esses incluem O Ewigkeit, du Donnerwort, BWV 20, Wachet auf, ruft uns die Stimme, BWV 140, Nun komm, der Heiden Heiland, BWV 62 e Wie schön leuchtet der Morgenstern, BWV 1.

Ouça: Wachet auf, ruft uns die Stimme (BWV 140)

Por favor, ouça o seguinte coral de abertura da cantata BWV 140, executada pelo MIT Concert Choir.

Bach atraiu os coristas soprano e alto da escola, e os tenores e baixos da escola e de outras partes de Leipzig. Se apresentar em casamentos e funerais fornecia renda extra para esses grupos. Foi provavelmente para esse propósito, e para o treinamento na escola, que ele escreveu pelo menos seis motetos. Como parte de seu trabalho regular na igreja, ele executou outros motetos & # 8217, que serviram como modelos formais para o seu próprio.

O predecessor de Bach como Cantor, Johann Kuhnau, também foi diretor musical da Paulinerkirche, a igreja da Universidade de Leipzig. Mas quando Bach foi empossado como Cantor em 1723, ele foi encarregado apenas da música para os serviços & # 8220festal & # 8221 (feriado da igreja) na Paulinerkirche, sua petição para fornecer música também para os serviços regulares de domingo lá (para o aumento de salário correspondente) foi todo o caminho até o rei Augusto II, mas foi negado. Depois disso, em 1725, Bach & # 8220 perdeu o interesse & # 8221 em trabalhar até mesmo para serviços festivos na Paulinerkirche e apareceu lá apenas em & # 8220 ocasiões especiais. & # 8221 A Paulinerkirche tinha um órgão muito melhor e mais novo (1716) do que o Thomaskirche ou Nikolaikirche. Bach havia sido consultado oficialmente sobre o órgão de 1716 após sua conclusão, veio de Köthen e apresentou um relatório. Bach não era obrigado a tocar nenhum órgão em suas funções oficiais, mas acredita-se que gostava de tocar no órgão Paulinerkirche & # 8220 para seu próprio prazer. & # 8221

Bach ampliou sua composição e atuação para além da liturgia, assumindo, em março de 1729, a direção do Collegium Musicum, um conjunto secular de performances fundado pelo compositor Georg Philipp Telemann. This was one of the dozens of private societies in the major German-speaking cities that was established by musically active university students these societies had become increasingly important in public musical life and were typically led by the most prominent professionals in a city. In the words of Christoph Wolff, assuming the directorship was a shrewd move that “consolidated Bach’s firm grip on Leipzig’s principal musical institutions.” Year round, the Leipzig’s Collegium Musicum performed regularly in venues such as the Café Zimmermann, a coffeehouse on Catherine Street off the main market square. Many of Bach’s works during the 1730s and 1740s were written for and performed by the Collegium Musicum among these were parts of his Clavier-Übung (Keyboard Practice) and many of his violin and keyboard concertos.

In 1733, Bach composed a mass for the Dresden court (Kyrie and Gloria) which he later incorporated in his Mass in B minor. He presented the manuscript to the King of Poland, Grand Duke of Lithuania and Elector of Saxony, Augustus III in an eventually successful bid to persuade the monarch to appoint him as Royal Court Composer. He later extended this work into a full mass, by adding a Credo , Sanctus e Agnus Dei , the music for which was partly based on his own cantatas, partly new composed. Bach’s appointment as court composer was part of his long-term struggle to achieve greater bargaining power with the Leipzig council. Between 1737 and 1739, Bach’s former pupil Carl Gotthelf Gerlach took over the directorship of the Collegium Musicum.

In 1747, Bach visited the court of King Frederick II at Potsdam. The king played a theme for Bach and challenged him to improvise a fugue based on his theme. Bach improvised a three-part fugue on one of Frederick’s fortepianos, then a novelty, and later presented the king with a Musical Offering which consists of fugues, canons and a trio based on this theme. Its six-part fugue includes a slightly altered subject more suitable for extensive elaboration.

In the same year Bach joined the Corresponding Society of the Musical Sciences ( Correspondierende Societät der musicalischen Wissenschaften ) of Lorenz Christoph Mizler. On the occasion of his entry into the Society Bach composed the Canonic Variations on “Vom Himmel hoch da komm’ ich her”(BWV 769). A portrait had to be submitted by each member of the Society, so in 1746, during the preparation of Bach’s entry, the famous Bach-portrait was painted by Elias Gottlob Haussmann. o Canon triplex á 6 Voc. (BWV 1076) on this portrait was dedicated to the Society. Other late works by Bach may also have a connection with the music theory based Society. One of those works was The Art of Fugue, which consists of 18 complex fugues and canons based on a simple theme. The Art of Fugue was only published posthumously in 1751.

Bach’s last large work was the Mass in B minor (1748–49) which Stauffer describes as “Bach’s most universal church work. Consisting mainly of recycled movements from cantatas written over a thirty-five year period, it allowed Bach to survey his vocal pieces one last time and pick select movements for further revision and refinement.” Although the complete mass was never performed during the composer’s lifetime, it is considered to be among the greatest choral works of all time.

Death (1750)

Figure 4. Bach’s grave, St. Thomas Church, Leipzig

Bach’s health declined in 1749 on 2 June, Heinrich von Brühl wrote to one of the Leipzig burgomasters to request that his music director, Johann Gottlob Harrer, fill the Thomaskantor e Director musices posts “upon the eventual . . . decease of Mr. Bach.” Bach became increasingly blind, so the British eye surgeon John Taylor operated on Bach while visiting Leipzig in March or April 1750.

On 28 July 1750 Bach died at the age of 65. A contemporary newspaper reported “the unhappy consequences of the very unsuccessful eye operation” as the cause of death. Modern historians speculate that the cause of death was a stroke complicated by pneumonia. His son Carl Philipp Emanuel and his pupil Johann Friedrich Agricola wrote an obituary of Bach. In 1754, it was published by Lorenz Christoph Mizler in the musical periodical Musikalische Bibliothek . This obituary arguably remains “the richest and most trustworthy” early source document about Bach.

Bach’s estate included five harpsichords, two lute-harpsichords, three violins, three violas, two cellos, a viola da gamba, a lute and a spinet, and fifty-two “sacred books,” including books by Martin Luther and Josephus. He was originally buried at Old St. John’s Cemetery in Leipzig. His grave went unmarked for nearly 150 years. In 1894, his remains were located and moved to a vault in St. John’s Church. This building was destroyed by Allied bombing during World War II, so in 1950 Bach’s remains were taken to their present grave in St. Thomas Church. Later research has called into question whether the remains in the grave are actually those of Bach.


The Story Behind the Bach Cello Suites, And Why We Still Love Them Today

“Bach's cello suites have been my constant musical companions. For almost six decades, they have given me sustenance, comfort, and joy during times of stress, celebration, and loss,” Ma said as he announced his 2018 world tour. “ Over the years, I came to believe that, in creating these works, Bach played the part of a musician-scientist, expressing precise observations about nature and human nature. ”

But Bach's six suites haven't always been so beloved or renowned.

The story of the Suites for Unaccompanied Cello is one of genius and tragic neglect, with a triumphant and long-lived epilogue. There is perhaps no other single set of compositions that have had more of a lasting impact in music history than the cello suites. But it took nearly two centuries for it to happen. Here's how it happened:

(Photo: Public domain image) Johann Sebastian Bach.

Luigi Boccherini was the only notable exception to the near-universal neglect of the cello as a solo instrument. Like other virtuosos, he wrote his own music, but very few others joined him. Joseph Haydn did write a couple concertos for a cellist in his orchestra, one of which was lost and not rediscovered until the 1950s. Virtually no unaccompanied works for cello were written in the 18th and 19th centuries.

Published, but still forgotten.
The suites were discovered and finally published in 1825. But in spite of their publication, they were not widely known by anyone besides a few cellists who viewed them as exercises -- if they viewed them at all. The development of the cello as a solo instrument continued without Bach's influence for another century, during which, again, virtually no music for solo cello was written.

1889: The spark of discovery
A 13-year-old Catalan wunderkind cellist by the name of Pablo Casals went for a stroll with his father, and they stepped into a second-hand music shop. There, Casals stumbled upon an old copy of Bach's Cello Suites. He took them home, began to play them, and fell in love.

(Photo: Library of Congress) Cellist Pablo Casals.

1915: Kodaly gets the hint
For the first time in almost two centuries, a major composer decided to write a work for unaccompanied cello. Zoltan Kodaly incorporated what is perhaps Bach's most radical technique in the cello suites -- scordatura (an alternate tuning of the strings) -- into a remarkably compelling sonata for solo cello. The same year, Max Reger wrote his own suites for unaccompanied cello, and the dam was broken.

The 20th century flood of cello music
Once Kodaly and Reger wrote their works, other composers jumped on the bandwagon. As a result, more music was written for unaccompanied cello in the 20th century than for any other solo instrument, save the piano.

1936: Casals records the suites
When Casals began recording the cello suites in 1936, the ground shifted under the endpins of all cellists. Suddenly there was an expectation that every cellist should know the suites, and indeed no true virtuoso of the cello could be legitimate without actually producing a recording of them. The number of recordings of the suites exploded, as did their popularity and influence.

What makes the suites so powerful?
It took more than 200 years for the world to get to know these miraculous suites. But once they become known, they became one of the most influential works ever written. A century later, composers are still writing works based on them. Cellists are still plumbing their depth. Porque?

It could be said that if the cello were to write music for itself, it would be the Bach cello suites. No other work for solo cello is as broadly expressive, as widely varied, or as native to the instrument itself as Bach's suites.

Being the master he was, Bach deeply considered the instrument, and then wrote the music it should play. Centuries later, the suites remain the ultimate expression of the soul of the cello, given voice by superstars like Yo-Yo Ma and countless other cellists who study, play and cherish them.


Você sabia? 10 Interesting Facts about Johann Sebastian Bach

Today, Johann Sebastian Bach is considered one of the most famous composers in history. But that wasn’t always so. He died at the age of 65, thinking that his music was old fashioned and that no one would remember what he had written. Today, his music is some of the most famous music there is! Can you picture hearing his Toccata and Fugue in D Minor, famous now during the Halloween season? Check out this stellar performance and then read through these 10 facts about his life to learn more about J.S. Bach.

#10 J.S. Bach’s father played violin in the castle of the Duke of Eisenach.

Bach's father

#9 J.S. Bach’s father’s cousin, Christoph, was an organist at the church where he sang as a boy. He would sneak into the church after school some days to hear him practice.

Johann Christoph

#8 When he was 10 years old, both his parents became ill and died. He and his brothers moved in with their older brother, Johann Christoph.

Bach's mother

#7 The new school Bach attended was a famous school for trying new teaching ideas. The students were encouraged to learn by doing and to find the answers for themselves.

School Bach attended

#6 He was a quick learner, but his brother said he wasn’t ready to learn the pieces in a book of famous compositions that were in the cupboard. So at night, J.S. Bach snuck downstairs and copied the notes by hand using only moonlight so he wouldn’t wake anyone up. It took him 6 months! That was how badly he wanted to learn to play the pieces in this book!

Moonlight so Bach can write notes

#5 When he was 15, he went to live at St. Michael’s School. One summer he wanted to go hear a concert given by Johann Adam Reinken but he didn’t have any money to go by coach so he walked. It took him four days. He loved the concert so much and was so glad he made it.

Johann Adam Reinken

#4 When Bach was around 18 years old, he was hired to be the organist at a church in Arnstadt. This organ had been played by members of Bach’s family for nearly a hundred years!

Church in Arnstadt

#3 He loved to compose so much that this sometimes got in the way of his church duties. He wrote over 1,000 pieces!

#2 His first-wife, Maria Barbara, died when he was 35. Then he married Anna Magdelene. She often helped her husband write out the parts for his compositions.

Maria Barbara

#1 He did, in fact, have 20 children. And four of them became famous composers – Carl Philip Emmanuel, Wilhelm Friedemann, Johann Christoph Friedrich, and Johann Christian.

Bach's family

Conteúdo

Bach came from a highly musical family. His father, Johann Ambrosius Bach, was a trumpeter at the court of Saxe-Eisenach. [1] Many of his relatives were professional musicians of some sort: violinists and town musicians, organists, Cantors (Directors of Music in a church), court musicians and Kapellmeisters (Directors of Music at a royal court). Most of them played several instruments. Of his twenty children, several became quite famous composers, especially Carl Philipp Emanuel Bach (1714–1788), Johann Christian Bach (1735–1782), Johann Christoph Friedrich Bach and Wilhelm Friedemann Bach (1710–1784).

When he was fifteen, he went to the small town of Lüneburg. At first he sang treble in the choir and was said to have a very fine treble voice, but his voice very soon got lower, so he made himself useful playing instruments. He learned by listening to famous organists like Reincken (1623–1722) and Dietrich Buxtehude (1637–1707). Bach got his first job in 1703 in Arnstadt. It was a well-paid job for a young boy who was 18 years old. There was a new organ in the church, and Bach already knew a lot about organ building as well as being a brilliant organist. They asked him to examine the new organ, and then they offered him a job. Bach spent four years as organist there. He composed some organ works. Unfortunately, the congregation were not musical enough to like it. They did not understand the ornamental notes he added to the hymn tunes. Bach got rather fed up with the priests who were always complaining about it, so he resigned and took another job in Mühlhausen, not far away. After a year there, he gave up that job and went to a big town called Weimar.

Johann Sebastian was made organist to the Duke of Saxe-Weimar. At the Duke’s court there was a chapel with an organ. Bach composed many of his great organ works at this time. He became very famous as an organist and was invited to play in other big churches and to give advice on organ building. He was extremely good at improvisation. On one occasion he was in Dresden at the same time as a French organist named Louis Marchant. There was going to be a competition between the two men to see who was better at improvisation. Bach was practicing the day before and Marchant heard him. He realized that Bach would win, so he left.

In 1714 the Duke made Bach Konzertmeister (Concertmaster, a job that paid more money.) He had to write cantatas for church services. In 1717 he was offered a job in the town of Cöthen, where he would earn an even better salary. The Duke was angry and did not want him to go but Bach insisted, so the Duke put Bach in prison for a month. In the end he had to let the musician go.

At Cöthen, Bach worked for Prince Leopold. The Prince was very musical and a wonderful man to work for. Bach was Kapellmeister (Director of Music) and was treated well. The organ was not very good, and it was not used much, so Bach did not write any organ music during this period. The Duke had an orchestra, and Bach was in charge. Nearly all Bach’s orchestral works were written in Cöthen: the Brandenburg Concertos, the violin concertos, the orchestral suites, the solo music for violin and for cello, and a lot of keyboard music for harpsichord or clavichord.

During 1719, the great composer George Frideric Handel, who had moved to England, came to Germany to visit his mother. Bach wanted to meet Handel, who was only 30 km away, but these two famous musicians never met. Handel wanted to spend his limited time in Germany with his mother who was old and frail, knowing that it would be the last time he would see her.

Bach’s first wife, Maria Barbara Bach, died in 1720. The couple had seven children. Soon afterwards, he married Anna Magdalena with whom he had another thirteen children. However, several of his children died young.

In 1723 Bach moved to Leipzig to take the job of Cantor at the St Thomas Church, a very large church in the town. Como Cantor he was in charge of all the music, both at St Thomas and at another church nearby. He also had to compose music for the town. It was an excellent job, and more secure than being at a court. The schools were good for his sons. Bach stayed in Leipzig until his death. He loved his job most of the time and worked very hard. He composed many cantatas for the church services. These services were very long, lasting about three hours. Many of the cantatas he wrote last about 30 minutes, and that was just one part of a service! He had assistants to play the organ. Bach himself directed the choir and the orchestra. There were probably 16 singers in the choir and 18 players in the orchestra. Ele escreveu o St Matthew Passion e a St John Passion. Both these works, which are very long, tell the story of Jesus dying on the cross. They are among the most famous pieces of music ever written. He also wrote cantatas for special occasions such as weddings or funerals.

Life was not always easy, and sometimes there were arguments with the people who ruled the church. The sub-deacon wanted to choose some of the hymns, but this was the Cantor’s job. Bach was a sensible man, and he managed to get his way without making enemies. On another occasion he argued with the headmaster of the school (Bach had to do some teaching at the church school) about who was allowed to choose the choir section leaders. This actually went to court, and Bach won the case.

Bach often made journeys to other towns. In 1747 he visited the court of Prussian King Frederick the Great near Berlin. The king, a music lover, gave Bach a theme to improvise from on the harpsichord. Bach sat down and improvised a fugue using this theme. Later Bach wrote a very long composition for flute, violin and harpsichord with cello accompaniment, in many movements, all based on this theme. At the end, the theme is heard in 5 of the 6 voices. Bach called it The Musical Offering and he sent it to the king.

Bach wrote many fugues, eventually he decided to write a collection called The Art of Fugue. His plan was to publish it, but he died before he could finish it (his son later published it in his honor, as Bach's last published piece). In the last year or two of his life, he became blind in spite of two eye operations. In the 19th century more people became interested in Bach, and many of his works were published after he had been dead more than a hundred years.


Assista o vídeo: Johann Sebastian Bach - Ilustrando História (Julho 2022).


Comentários:

  1. Moogurg

    Eu acho que você está errado. Tenho certeza. Eu proponho discutir isso. Me mande um e-mail

  2. Zushakar

    Very cool .. I love these

  3. Cedd

    Cartas de alguém- Alexia)))))

  4. Toan

    Que palavras ... super, uma ideia notável



Escreve uma mensagem