Podcasts de história

Teatro Antigo em Aptera, Creta

Teatro Antigo em Aptera, Creta


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


O teatro da Creta Antiga reabre com Homer e Odisséia # 8217s

O recentemente restaurado Antigo Teatro de Aptera em Chania, na ilha de Creta, será reaberto após 17 séculos com uma performance dramatizada de uma passagem de Homero Odisséia.

O evento na noite de 29 de junho terá os atores Sofia Hill e Antonis Myriagos se apresentando ao lado dos músicos Giorgos Kaloudis na lira e Ruth Hill no qanun (kanonaki em grego).

Os organizadores do evento descreveram a performance da narração de uma rapsódia do Odisséia como vendo & # 8220 os heróis esmagados não pela vingança cega e descontrolada dos deuses, mas por sua própria desobediência e ultrapassagem dos limites, algo que constitui desafio à norma ética clássica 'hubris, nêmesis, tisis' (expiação), que caracteriza a visão de mundo dos antigos gregos & # 8221.

O site antes de sua restauração

O local esconde sua história de orgulho quando Aptera já foi a cidade mais poderosa do oeste de Creta durante a época minóica. Escavações arqueológicas recentes revelaram detalhes sobre a composição do povoado, a arquitetura da cidade e os hábitos dos residentes de Apterean.

& # 8220Embora a menção mais antiga do Aptera seja encontrada como a-pa-ta-wa nas tabuinhas B da escrita Linear de Knossos, que datava do século 14 a 13 aC, as descobertas atualmente ricas das escavações indicam que a colina era habitou o século 8 aC até o século 7 dC, quando foi abandonado devido a um forte terremoto e por causa dos ataques dos piratas árabes sarracenos ”, dizem os organizadores.

A apresentação é gratuita para assistir com um cupom distribuído gratuitamente de segunda-feira, 18 de junho, até segunda-feira, 25 de junho nos escritórios do Chania Antiquities Ephorate.


Aptera

Aptera é um dos sítios arqueológicos mais importantes da Creta Ocidental. A antiga cidade de Aptera foi fundada no século 8 aC em uma posição panorâmica que controlava Souda Bay e floresceu no período helenístico. Foi abandonado nos anos árabes, quando foi destruído pelos piratas. A cidade era servida pelos portos de Marathi e Kalives. Essas grandes portas fizeram Aptera um dos centros comerciais mais importantes de Creta, senão o maior.

Moedas de Aptera De acordo com a tradição, seu nome vem do Sereias que perderam suas asas após perderem em uma competição musical contra as musas, então eles permaneceram sem asas (Aptera em grego). No entanto, aparentemente ele recebeu o nome de Aptera Artemis (Artemis sem asas) que era adorado na área, como evidenciado pelas moedas da cidade.

A cidade foi fortificada com uma forte muralha, grande parte da qual (4km) sobrevive até hoje. Em Aptera, podemos ver um santuário do século 5-4 aC, enormes cisternas romanas abobadadas, um terreno esculpido Teatro, o “parlamento” e uma necrópole próxima. As várias descobertas incluem vasos, moedas, estatuetas, inscrições e esculturas.

Aptera era famosa por sua forte arqueiros que lutaram como mercenários em várias áreas fora de Creta, trazendo riqueza para sua terra natal. A introdução da valiosa prata pelos mercenários que voltaram deu à cidade a capacidade de cunhar suas próprias moedas. As moedas eram elaboradas e geralmente representavam a deusa Artemis, de um lado, e do outro o fundador da cidade Rei Apteras. Outros tipos descritos Apollo ou Hera e tocha, Abelha ou arco.


As cisternas romanas e os banhos

Vista externa das cisternas romanas (cortesia do The Tiny Book).
Linhas impressionantes de tijolos antigos dão forma às paredes e arcos que formam os telhados do subsolo Cisternas romanas. Este impressionante trabalho de engenharia fina foi muito bem preservado e é um testemunho claro de tempos romanos na ilha.
Vista interna das cisternas romanas (cortesia do The Tiny Book).
Abaixo das cisternas está a grande área do complexo de banhos romanos. Isso nos faz pensar quanta água foi realmente necessária para preencher os vastos espaços das cisternas.


Teatro da Antiga Aptera aberto ao público

O Teatro da Antiga Aptera na região de Chania, oeste de Creta, foi entregue ao público no passado sábado, 12 de dezembro, num grande evento que contou com a presença do Ministro da Cultura grego, Aristides Baltas, e representantes das autoridades locais.

Este importante teatro foi inteiramente construído com calcário local e encontra-se na parte sudeste da antiga cidade de Aptera, numa cavidade natural com vista para o sul da ilha e as Montanhas Brancas. A sua fase mais antiga data da época helenística (primeira metade do século III aC), embora tenha sido amplamente reconstruída durante a época romana.

Após as severas destruições do antigo teatro de Aptera durante os séculos XIX e XX, o monumento foi recentemente reconstruído e divulgado para que o público em geral o visite.

Durante o evento, o Ministro da Cultura grego disse que "todo o antigo sítio de Aptera é maravilhoso. Algo novo é adicionado ao mapa cultural da ilha, com este teatro que conecta a antiga civilização com a Creta atual".

O sítio arqueológico de Aptera fica a 13 km a leste da cidade de Chania. Com uma localização geográfica muito afortunada, esta cidade-estado era rica e poderosa desde os tempos minóicos até a era helenística, quando declinou gradualmente. No século 7 DC, foi destruída por um terremoto.


CORISSIA hotéis e resort

Para esta viagem, você pode desfrutar de um longo e relaxante café da manhã e ainda estar de volta ao seu Corissia Hotel a tempo do jantar. Não se deve ir às segundas-feiras, pois a escavação em Aptera está fechada. O passeio também é agradável para as crianças mais novas, já que é apenas uma curta viagem de carro entre os destinos e há muito o que ver e fazer em cada parada.

Você vai visitar um antigo teatro com vistas magníficas das Montanhas Brancas, pisar em cisternas colossais que remontam à época romana, explorar duas igrejas antigas e caminhar por cerca de 20 minutos por uma estreita ravina verdejante até uma caverna de significado histórico. Elevando-se em um afloramento rochoso, o recinto isolado do festival em uma pequena capela o convida a fazer um piquenique

Foi apenas neste século que escavações sistemáticas descobriram um antigo teatro de particular beleza em Aptera. As duas enormes cisternas da época romana são igualmente impressionantes.

A caminho da antiga cidade de Aptera.

Primeiro pegue a Estrada Nacional em direção a Chania até a saída para Aptera. A estrada está em boas condições e serpenteia subindo rapidamente a montanha, chegando à moderna vila de Aptera com três tabernas e cafés. Vire à esquerda e suba a colina após o particularmente encantador 'Kafeneion 1912'. Depois de 1.300 m, você verá um painel cinza em frente às antigas ruínas do lado direito da estrada. Ele descreve o layout da antiga cidade de Aptera.

A cerca de 15 m de distância, você verá as paredes do antigo portão da cidade, que foram parcialmente reconstruídas. Eles ficam ao lado de uma trilha de terra em declive, onde os vestígios da antiga estrada foram preservados. O curso das antigas muralhas da cidade está marcado em amarelo no painel cinza. Outro painel entre a estrada e o portão da cidade exibe um desenho de reconstrução e fotos que mostram como era a área antes e depois das escavações em 2010-2012. O desenho de reconstrução de uma catapulta antiga, usado pelos sitiantes, também é exibido.

Fortaleza de Koules do final do período otomano

300 m adiante, você chegará a uma bifurcação na estrada no extenso planalto rochoso, que tem cerca de 200 m de altura. A erva-doce gigante floresce aqui em grande número. Primeiro dirija à esquerda. A estrada estreita termina 800 m em frente à Fortaleza de Koules. Com suas duas torres redondas, quase se parece com um castelo Playmobil. Foi construído até 1860 pelos turcos, o que significa que remonta ao final do período otomano. Embora os visitantes não tenham permissão para entrar, a vista daqui de cima do mar e da península de Apokoronas é fantástica.

Depois volte 800 m até a bifurcação e vire à esquerda. Apenas 200 m à frente, você chegará à pequena cabine de entrada das escavações da antiga cidade de Aptera. Você deve levar pelo menos 80 minutos para caminhar por aqui.

Aptera

Por 2.000 anos, o povo da antiga cidade de Aptera (ênfase no primeiro "a") viveu em um alto planalto rochoso, com cerca de 1000 m de comprimento e aproximadamente 200 m de altura. Hoje está ao sul da Estrada Nacional de Georgioupolis a Chania. As pessoas começaram a se estabelecer aqui já em 1300 a.C. e no século 4 a.C. eles cunharam suas próprias moedas.

No século 7 d.C., o assentamento caiu no período dos ataques árabes. Monges da ilha de Patmos fundaram um mosteiro entre as antigas ruínas em 1181, que foi habitado no período veneziano e otomano, e apenas abandonado em 1964. Finalmente, os otomanos ergueram uma pequena fortaleza aqui na borda do planalto rochoso , 1866-1869, que também é claramente visível da Estrada Nacional.

Teatro antigo, cisternas romanas, mosteiro cristão

Foi apenas neste século que escavações sistemáticas desenterraram, entre muitos outros, um antigo teatro de particular beleza. As duas enormes cisternas da época romana são igualmente impressionantes. O pátio do antigo mosteiro é um ótimo lugar para sentar, desenhar e pintar, tomar sol e fazer um piquenique.

Logo após a entrada estão as paredes de fundação de um pequeno templo bipartido do século V a.C. abaixo do nível da rua, que os arqueólogos alemães já haviam desenterrado em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial. Não se sabe quais deuses eram adorados aqui. Em seguida, você entrará no pátio interno do mosteiro. Um pequeno portão em frente leva você para o local da escavação. Irá entrar nas 'cisternas abobadadas', uma cisterna de dimensões monumentais do século II. Você pode entrar parcialmente nas altas abóbadas deste gigantesco reservatório de água.

Em seguida, o circuito leva você do melhor da natureza às paredes dos banhos termais, que foram preservados a uma altura impressionante. Esta era uma casa de banhos da época romana, onde os cidadãos se mimavam nas horas vagas. Passe pelo pátio do mosteiro e você se verá de volta à entrada. Dê um pequeno passeio à sua direita, ao longo do exterior da cerca, e terá uma boa vista de outra monumental cisterna romana, que já não tem telhado. Está na forma da letra grega, gama.

Um largo caminho de cerca de 150 m sai à esquerda da cabine de entrada e leva ao antigo teatro da cidade. Foi originalmente projetado no século III a.C., depois modificado na segunda metade do século I e novamente no século III. Suas camadas superiores de assentos e os prados circundantes são cobertos com milhares de flores de papoula vermelhas em abril. As camadas e o palco foram construídos com calcário local.

No início do século XX, foi erguido um forno na orquestra, o "palco" redondo, que queimava cal dos antigos bancos e blocos de pedra nas paredes. Neste século, os arqueólogos reconstruíram muitas das antigas fileiras de assentos com a mesma pedra e também usaram ferramentas semelhantes às que teriam na antiguidade. Hoje, o teatro parece relativamente intacto. O trabalho de reconstrução foi financiado com o apoio da UE.

Horário de funcionamento: terça a domingo, das 8h30 às 15h

Admissão: 4 euros, idosos (65+) e estudantes 2 euros

Conselhos para as segundas-feiras: se for a Aptera à segunda-feira, não precisa de ficar sem vista ao teatro. Simplesmente caminhe ao longo da cerca da cabine de entrada no sentido anti-horário. Depois de cerca de 200 m, você terá uma boa visão do teatro por cima da cerca e poderá tirar algumas fotos.


Marcos e monumentos de Creta

Famosa em toda a Grécia e além por sua história antiga e pontos de referência minóicos, há muito mais em Creta do que apenas algumas belas praias e muito sol. Cnossos se destaca por ser o mais notável de todos os sítios minóicos de Creta e contém uma série de marcos arqueológicos importantes, dentro das ruínas de seu 'Palácio de Cnossos'.

Outros sítios e vestígios minóicos podem ser encontrados nos antigos assentamentos de Agia Triada, Gortyna, Gournia, Malia e Phaestos. Outros marcos em Creta incluem a antiga cidade de Aptera, as ruínas de Lebena, a fortaleza veneziana de Koules, a fortaleza de Rethymno e as fortificações de Hania, entre outros locais impressionantes.


Knossos e outros sites minoicos

Muitos dos sítios arqueológicos mais famosos e espetaculares de Creta são minóicos e poucos são mais impressionantes do que os marcos remanescentes em Knossos. Outrora a capital minóica de Creta, Knossos fica a apenas 5 km / 3 milhas de Iraklio e é sem dúvida a atração número um, sendo inundada de turistas durante todo o ano. Dentro de Knossos estão os restos de um imenso complexo de palácio, onde se diz que o Rei Minos manteve sua mítica criatura Minotauro. Os destaques no Palácio de Knossos incluem o Tribunal Ocidental, o Corredor do Afresco da Procissão, a Área Teatral, o Afresco do Touro, a Sala do Trono, a Grande Escadaria, o Salão dos Machados Duplos e o Megaron da Rainha. Outros locais e pontos de referência Minoan antigos famosos em Creta incluem:

  • Agia Triada (Hagia Triada) - localizada em uma dramática crista costeira, acima da planície de Mesara e perto de Phaestos
  • Gortyna - na planície de Mesara e a apenas 15 km / 8 milhas de Phaestos, os destaques incluem algumas enormes tábuas de pedra que estão inscritas com as Leis de Gortyna
  • Gournia - lar de um sítio minóico especialmente importante, localizado a cerca de 18 km / 11 milhas a sudeste de Agios Nikolaos e datado de 1550 aC
  • Kamilari - o local da famosa tumba minóica circular de Creta, que foi construída em 1900 aC e está extremamente bem preservada
  • Kato Zakros - um pequeno, mas pitoresco assentamento minóico, a cerca de 7 km / 4 milhas da praia de Kato Zakros
  • Malia - com as espetaculares ruínas do Palácio de Malia, escavadas pela primeira vez por arqueólogos de Creta há pouco menos de 100 anos
  • Phaestos (Phaistos) - o local do segundo mais importante palácio da cidade minóica em Creta, depois de Knossos. Phaestos está localizado a cerca de 60 km / 37 milhas de Iraklio
  • Zakros - que já foi um porto próspero e com o menor dos quatro complexos de palácios minóicos da ilha, o Palácio de Zakros

Monte Psilorite (Idi)

Endereço: Monte Psiloritis, Creta, Grécia, GR
Um dos marcos mais imponentes e impressionantes da ilha de Creta, o Monte Psiloritis também atende pelo nome de Monte Idi e domina toda a província de Amari, com quase 2.500 metros de altura. O planalto de Nida forma a base oriental da montanha e é uma extensão enorme, rodeada por várias outras montanhas menores. Uma estrada pavimentada leva ao planalto de Anogia e se você dirigir por esta estrada, procure as cabanas de pedra dos pastores, que são conhecidas localmente na Grécia como 'mitatas'. De particular interesse, o Monte Psiloritis é o lar da Caverna Ideon, que diz a lenda, é onde o deus grego Zeus, rei de todos os deuses, foi realmente criado.
Horário de funcionamento: diariamente
Admissão: grátis

Cidade Antiga de Aptera

Endereço: Oeste de Kalyves, Creta, Grécia, GR
Vale a pena pesquisar as ruínas da antiga cidade de Aptera e ficam a cerca de 3 km / 2 milhas a oeste de Kalyves. Essas ruínas estão distribuídas em torno de duas grandes colinas, próximas à baía de Souda, e datam do século 7 aC, quase 3.000 anos. Uma vez que uma das cidades mais importantes de Creta, Aptera foi infelizmente completamente destruída durante um grande desastre de terremoto no século 7 DC, embora tenha sido reconstruída durante o século 10. Hoje, Aptera ainda está sendo meticulosamente escavado e apresenta algumas estruturas muito bem preservadas, incluindo um templo grego do século 2 aC, cisternas romanas e algumas paredes fortificadas gigantescas. Também aqui está o marco consideravelmente mais jovem de uma fortaleza turca, construída em 1872.
Horário de funcionamento: terça a domingo - das 08:00 h às 14:30 h
Taxa de admissão

Lebena Ruins

Endereço: Lendas, Creta, Grécia, GR
Situado na periferia da aldeia de Lendas, o sítio arqueológico de Lebena nasceu como uma conceituada estância termal, utilizando as nascentes de água doce do local, que eram conhecidas pelas qualidades terapêuticas. Muito pouco resta aqui das estruturas originais, embora haja um par de grandes colunas de pedra que já fizeram parte de um templo do século 4 aC. Existem também alguns pisos de mosaico intrincados que ainda são claramente visíveis.
Horário de funcionamento: diariamente
Admissão: grátis

Fortaleza veneziana de Koules (Rocca al Mare)

Endereço: Porto de Iraklio, Creta, Grécia, GR
Construída durante o século 16 e ainda dominando o Porto Antigo, a Fortaleza Vêneta de Koules em Creta era conhecida como Rocca al Mare sob o domínio veneziano da ilha. Por mais de 20 anos, esta fortaleza ajudou a defender a ilha dos ataques turcos, antes de realmente se tornar uma prisão turca para os cretenses rebeldes. A fachada é especialmente atraente e apresenta vários relevos que representam o Leão de São Marcos. Entre na Fortaleza veneziana de Koules para descobrir mais de 20 quartos diferentes restaurados, alguns dos quais agora são usados ​​como galerias de arte.
Horário de funcionamento: terça a domingo - das 09:00 h às 8:00 h
Taxa de admissão

Fortaleza Rethymno (Fortezza) / Acrópole

Endereço: Paleokastro Hill, Rethymno, Creta, Grécia, GR
Tel: +30 28310 28101
A Fortaleza de Rethymno está localizada na animada cidade de Rethymno e foi construída durante o século XVI. Também sede da antiga acrópole da cidade, a fortaleza ostenta enormes muralhas, dentro das quais existiam muitos monumentos e edifícios diferentes. Tudo o que resta agora desses edifícios é uma igreja como uma bela mesquita. Há muito o que explorar enquanto você caminha pelas ruínas, enquanto para as melhores vistas, siga para as muralhas. Um Museu Arqueológico está perto e perto da entrada da fortaleza.
Horário de funcionamento: carga
Ingressos: junho a outubro, diariamente - das 8h às 20h

Moni Arkadiou (mosteiro)

Endereço: Arkadi, Creta, Grécia, GR
Tel: +30 28310 83138
O mosteiro do século 16 que é o Moni Arkadiou pode ser encontrado a pouco mais de 22 km a sudeste da cidade de Rethymno. Uma série de marcos diferentes estão baseados aqui, dos quais a igreja de estilo barroco veneziano está entre os mais impressionantes, com nada menos que oito colunas coríntias e uma torre sineira bastante especial. Também aqui está um antigo moinho de vento, que contém uma coleção bastante surpreendente de ossos e crânios de soldados turcos, que atacaram em 1866 e lotaram suas vidas depois que os cretenses incendiaram o depósito de pólvora do mosteiro.
Horário de funcionamento: abril a outubro, diariamente - das 09:00 h às 19:00 h
Taxa de admissão

Fortificações Hania (Chania)

Endereço: Hania, Creta, Grécia, GR
Construídas pelos venezianos para proteger Hania de um possível cerco, essas impressionantes fortificações medievais continuam sendo um dos marcos mais notáveis ​​e visitados da cidade. A parede ocidental é a mais bem preservada de todos os trechos de fortificações ainda de pé e é um sanduíche entre o Baluarte de Siavo e a Fortaleza Firkas. Para algumas vistas excelentes de Hania, vá até o Bastion - e traga sua câmera. Perto e ao lado do porto, o farol veneziano também pode valer a pena ser visto, e é a Mesquita de Kioutsouk Hasan.
Grande Arsenal
Horário de funcionamento: diariamente - 24 horas
Admissão: grátis

Lato Antigo

Endereço: Lato, Norte de Kritsa, Creta, Grécia, GR
Situada a apenas 4 km / 2,5 milhas ao norte de Kritsa, a antiga cidade de Lato é na verdade um dos poucos locais históricos da ilha que não é de origem minóica, tendo sido fundada durante o século 7 aC pelos dórios. Lato foi uma grande cidade cretense em sua época e liderou grande parte da ilha. Desfrutando de um cenário de montanha verdadeiramente pitoresco com vista para o Golfo de Mirabello, as principais ruínas do Lato de hoje incluem um teatro, o edifício governamental 'pirataneio', vários mosaicos e o Templo de Apolo.
Horário de funcionamento: terça a domingo - das 08:30 h às 15:00 h
Taxa de admissão


Nós escolhemos e apresentamos a você alguns dos Sítios Arqueológicos mais populares de Creta que você definitivamente deve visitar!

Sítio Arqueológico de Knossos

O maior e mais brilhante centro do Civilização minóica, Knossos, está localizado a 5 km. ao sul do centro histórico da cidade de Heraklion. Na área, no lado leste da colina, onde as brilhantes ruínas minóicas de Cnossos foram descobertas, também foram encontrados vestígios de instalação neolítica datando de 6000 aC. Em um complexo sistema de corredores e apartamentos labirínticos localizados lá, muitos pesquisadores reconheceram o antigo & # 8220Labirinto& # 8220. No entanto, o elemento mais importante do palácio de Cnossos é o fato de ser um centro estruturado da cidade desenvolvido em torno de um grande pátio central. Pesquise mais sobre o sítio arqueológico de Knossos.

Aptera Antiga

A Antiga Aptera era uma das maiores e mais poderosas cidades-estado da Creta Ocidental. Na área dominam as imponentes cisternas romanas abobadadas, que são mantidas em muito bom estado. A cidade é cercada por paredes ciclópicas, que circundam todo o planalto rochoso sobre o qual foi construído. Parte da parede é preservada hoje em comprimento superior a 4 km. Na área também foram escavadas uma pequena igreja, uma grande casa particular com pátio com colunas, um teatro, uma orquestra e também um cemitério a oeste da cidade, com túmulos esculpidos.

Eleftherna Antiga

Na região onde hoje está localizada a vila de Eleftherna (Prines) em Rethymnon, era a antiga cidade cujos vestígios foram descobertos após escavações sistemáticas. A aldeia está localizada ao sul da colina do forte em torno do qual foi construído o Eleftherna antigo, uma das cidades antigas mais importantes de Creta.

A região era habitada desde 2.000 aC. Na raiz da encosta nordeste, encontra-se uma grande parte do local que veio à luz das escavações dos últimos anos realizadas pela Universidade de Creta a partir de 1985. A escavação do antigo cemitério na área “Orthi Petra”, Dá-nos muitas informações. As sepulturas contêm descobertas significativas que ajudam a extrair conclusões relevantes sobre a vida na Creta antiga. Este ano, o Museu Arqueológico de Eleftherna abre suas portas ao público.

Sítio Arqueológico de Zakros

O mais oriental dos sítios arqueológicos minóicos de Creta está localizado na praia sudeste de Sitia, Kato Zakros. Ele está localizado a 45 km. da cidade de Sitia e 115 km. de Agios Nikolaos, em uma pequena enseada bem protegida. Kato Zakros foi identificado como um importante sítio arqueológico no século XIX. No final do mesmo século, arqueólogos italianos fizeram escavações e encontraram vários vasos com decoração luxuosa, pertencentes ao melhor período de Cnossos micênicos. Em 1962, escavações na encosta leste da colina de Agios Antonios finalmente revelou o quarto palácio minóico, muitos bairros da cidade minóica e seus cemitérios.

Sítio Arqueológico de Phaistos

Phaistos foi a segunda maior cidade minóica e o centro do centro-sul de Creta, incluindo as áreas de Amari e São Basílio em Rethymnon e ao sul de Heraklion. O palácio e a cidade de Phaistos estão situados em uma colina, oferecendo vistas panorâmicas para todos os pontos da bússola, especialmente para o leste, norte e sul. A leste, fica a rica e fértil planície de Messara. A rica e fértil planície de Messara, é cercada pelas montanhas de Lasithi à direita, as montanhas de Asterousia ao sul e Montanhas Psiloritis no norte. A vista, em todas as horas do dia, mas principalmente à tarde, é magnífica, e só por isso vale a pena visitar Fistos.

Sítio Arqueológico Gortyn

Gortyn Antiga é um dos sítios arqueológicos mais importantes de Creta, perto da aldeia de Agii Deka em Messara. Situa-se no ponto onde floresceu uma das cidades mais antigas e poderosas de Creta, durante o período pré-histórico e histórico. As ruínas da antiga cidade estão espalhadas por uma área de 4.000 acres desde as colinas de São João, Volakas e Profeta Elias até a vila de Agii Deka no leste e Mitrópolis no sul. É o maior sítio arqueológico de Creta e um dos maiores da Grécia.

Ideon Andron

A caverna sagrada dos cretenses ganhou fama nacional e se tornou um importante centro de adoração e local de iniciação está localizado no lado oeste do Nida planalto na raiz da encosta íngreme a 1538 metros de altitude. De acordo com a tradição, é a caverna onde Zeus nascido e criado por Amalthia. Sabemos que a caverna era um importante local de culto. Sua fama se espalhou por toda a Grécia e é um dos maiores centros de estudos teológicos da antiguidade. As cerimônias de liberação e iniciação atraíram um grande número de peregrinos, como os grandes filósofos gregos, Epimenidis e Pitágoras.


Aptera

T s monumentos mais importantes do site são:

Cisternas romanas.
Templo bipartido, conhecido como "santuário bipartido", datado do século V ao IV a.C.
Parte de um bouleuterion romano.
Edifícios bizantinos.
Mosteiro de Hagios Ioannes Theologos (São João Batista).

Araden (Heraden). Aradaina Sfakion. Aradena está localizada na área oeste do desfiladeiro, em Sfakia. A garganta separa o planalto de Aradena com o de Anópolis, no oeste de Agia Roumeli e perto de Agios Ioannis. Stefanos Byzantios confunde Aradena com Anópolis. As ruínas da antiga Araden ou Heraden são preservadas no local de Passopetra, perto da vila de Aradena. Era uma cidade independente e era uma das trinta cidades do decreto frequentemente citado. A antiga necrópole está no local de Xenotafi. Phoinix era o porto de Aradena. Acredita-se que os colonizadores fenícios a estabeleceram e ligam o nome da cidade à palavra fenícia Aruad, que significa abrigo. Na Fenícia, havia uma cidade com o mesmo nome. Aradena floresceu até os últimos séculos do domínio veneziano e o primeiro século do domínio turco. Seus cidadãos estavam trabalhando na navegação e no comércio. Na Revolução de Daskalogiannis contra os turcos do Império Otomano, a vila foi totalmente arruinada. Para Aradaina, podemos ir por Chora Sfakion e Anopolis. “Araden é a cidade de Creta, também chamada de Anópolis, por estar em uma localização elevada. O cidadão da forma genitiva da palavra, foi chamado de Aradenios, como Araphenos, Araphenios ” Stef. Byzantios.

Arados. Ilha ao norte pela costa oeste de Creta. “Com o nome de Arados, existe uma ilha na Fenícia, uma no Mar Vermelho e uma em Creta. O adjetivo nacional é Aradios, Aradia ” Stef. Byzantios.

Arbis. Arvi em Viannos.

Arkades (Arkadia). Localização de Profitis Ilias na aldeia Afrati Pediados. Arkades ou Arkadia. Cidade mediterrânea do centro de Creta. os escritores antigos não nos fornecem muitas informações sobre esta cidade. Polybios diz que Arkades participou da guerra civil entre as cidades cretenses em 221 AC. As inscrições atestam a importância da cidade no século 2 aC. Eles assinaram decretos com Teo de Ionia em 193 aC e com Eumenes B 'em 183 aC. Com base nas moedas de prata e bronze da cidade, podemos presumir que era independente. As moedas têm representações de Zeus e Atenas com a palavra ARKADON. As moedas encontradas e uma inscrição confirmam a identidade da cidade e sua localização na prefeitura de Herakleion. As escavações ocorreram na área em 1924. Lá são encontradas muitas casas, um cemitério com túmulos abobadados, que é uma característica típica minóica. Os enterros, que eram principalmente em jarros de barro e caixas de urna, continham muitos artefatos importantes do período geométrico e oriental (século 9 -7 AC) As embarcações são produtos da oficina local. Além disso, foi encontrada uma capital fenícia do século 7 aC. A capital tem influência egípcia e é a única encontrada em Creta.

“Arkades era a cidade de Creta, como Xenion cita em seu livro“ Kretika ”(as questões cretenses). Os cidadãos eram chamados de Arkades. No entanto, Demetrios não chama a cidade de Arkades, mas sim de Arkadia e o adjetivo nacional de Arkades ” Stef. Bizâncio

Arsinoe. Porto de Lyktos. Stefanos Byzantios conta todas as cidades que têm o mesmo nome e diz “Nono Lyktos”. Bursian acredita que a cidade fica perto de Itanos. Spratt o localiza perto de Erimoupoli. Por outro lado, Muller diz que foi no norte de Creta, entre Chersonisos e Milatos, onde existem algumas ruínas. Svoronos diz que a condição mais provável é a última, porque então a cidade não fica longe de Lyktos e perto de Chersonisos, que fazia parte da terra Lyktian. Existem moedas que são atribuídas a esta cidade.

Asos. Perto de Vourvouliti Kainourgiou. “Asos. Pequena cidade de Creta. O cidadão se chamava Asios porque lá eles adoram Zeus e há um templo muito antigo de Asios Zeus ” Stef. Byzantios.

Astale ou Atale. Bali Mylopotamou. A antiga cidade de Astale foi o porto de Axos durante o período romano. Estava localizado no local onde hoje fica a vila de Bali, em Melidoni Mylopotamou, prefeitura de Rhethymnon. Situa-se na costa oeste da baía. Não há referências sobre a aldeia nos catálogos venezianos. Os mapas venezianos incluem a baía e em documentos oficiais, é citado um porto ou redoto di Atali = baía de Atale. No livro “Stadiasmoi tis megalis thalassis”, temos esta referência: “De Amphimatrion a Astale, são 30 estádios, há porto e primavera. A partir daqui, Elefthera (Eleftherna) está a 50 estádios de distância. ” Os turcos rebatizaram a área para Bali, porque na área se desenvolvia a apicultura. Em turco, balli significa mel.

Asterousia. “Asterousia é chamada de montanha em Creta. No sul, há mar. Há também uma cidade no Cáucaso, que se chama Asterousia e é uma colônia de cretenses. Os moradores são chamados de Asterousianoi e Asterousieis e Asterousiois ”. Stef. Byzantios. Asterousia fica na prefeitura de Herakleion, no sul. Alguns pesquisadores acreditam que havia uma cidade em Creta, também chamada de Asterousia. No entanto, não sabemos sua localização exata.

Axos (Oaxos). Axos Mylopotamou. “Axos é a cidade de Creta. É a quarta cidade que Heródoto Cites. O adjetivo nacional é Axios ” Stef. Byzantios.

Aylon. (Avli Pediados).

Aylon. “Aylon ... há uma terceira cidade ou área com este nome, que fica em Creta.” Stef. Byzantios.

Bem. Região de Gortys. Cidade de Creta que estava sob o governo de Gortys, terra natal do poeta Rhianos. Perto da aldeia de Beni, foram encontradas ruínas de fortificações, muralhas e cisternas que pertencem ao período arcaico e romano. “Bene era a cidade de Creta, sob o governo de Gortys. O adjetivo nacional é Benaios. Dizia-se que o poeta Rhianos era desta cidade e se chamava Benaios ou que era de Kerea e, portanto, era chamado de Kereates ou simplesmente cretense. ” Stef. Byzantios.

Biannos. Ano Viannos. Biannos ou Biennos está localizado abaixo da vila de Epano Viannos. Segundo Stefanos Byzantios, a cidade recebeu esse nome por seu fundador Biennos (um dos Kouretes) ou pela palavra bia, que significa violência, luta, que ali acontecia entre os filhos de Poseidon e Ares, Otos e Efialtes. Os cidadãos da cidade eram chamados de Biennioi ou Biannioi. Biannos era independente. A cidade tinha suas próprias moedas. As moedas têm a representação de uma cabeça feminina e uma flor. In addition, Biannos was one of the Cretan cities that signed the decree with Eumenes B’. However, it seems that later the city was under the rule of powerful Ierapytna. In the village, a built Christian tomb with marble inscription has been found. At Galana Charakia, N. Platon excavated two tombs in rock hollows with thirty earthen jars and vessels from the early Minoan period III and Mid-Minoan I period. In the same area, a Mid-minoan building of four rooms and paved floor was unearthed. At Kefalas Chondrou, a Postminoan settlement of fifty rooms, corridors, and yards was unearthed. It was destroyed probably by fire, and in some houses, there might be first floor with wooden stairs. Utensils, pottery, and built box-like ovens were found. At Rousses Chondrou, N.Platon unearthed a midminoan house-temple.

Stefanos Byzantios adds “There is another city in Galia (France) with the same name, near the Rhodanos River, which is Cretan colony.”.

Biennos. Between Phalasarna and Kriou Metopou. It was port or city of Crete, which belonged to Polyrrenia and was at Kriou Metopon Cape. This cape is the southeastern end of Crete.

Bionnos. Kerame Agiou Vasileiou.

Boiai. See Boion.

Boibe. Near Gortys. Probably the village Bobia at Kainourgio. Boibe at Thessaly was related to the Cretan city. Both cities were built by the Magnetes. “…there is in Crete as well, Boibe that is near Gortys…”.Stef. Byzantios.

Boion. “Boion. …there is a city in Crete with this name or Boia. The citizen is called Boiates, like Karyai, Karyates, Pitanai, Pitaniates…he is also called Boiaios according to Ephoros. According to Herodianos, he is called Boiites…”Stef. Byzantios.

Chalketorion. Unknown location. “Chalketorion is city of Crete. The citizen is called Chalketoreus, as Apollodorus says in his forth book of the Chronika, and Krateros in “Peri Psephismaton” calls them Chalketoras.” S. Byzantios

Cherronesos or Chersonesos. Chersonisos Pediados. Powerful city of Crete in the northern coast of the island. It was port of Lyktos, between Herakleion and Olous. Plutarch says that the city was established by the children of the citizens of Imbros and Lesbos islands. The mothers of those children were Athenians, which had been abducted. Those children married Spartan women. They were exiled from Sparta. They took money, ships and their leaders were the Spartans Pollis, Delphos and Kratais. The story is true, since on seal with Hieroglyphics from Lyttos, we read Spartan dialect. Those residents brought with them a statue of Artemis. Strabo cites a Temple of Artemis Britomartys, the Cretan goddess, which was represented, on the coins of Cherronesos. The city joined the Republic of Cretans and allied with Eumenes B’ of Pergamos. In inscriptions of the 2 nd and 1 st centuries BC, the city is cited as “seaside Lyttos”. The citizens of the two cities are considered relatives and they had close economical intercourse. In an inscription, we read that the citizens of both cities were considered Lyttians: “those of the Lyttians, the inhabitants of the upper city and that in the sea.” The excavations at Limenas Chersonisou unearthed signs of Minoan settlement. In the Classical period, the acropolis was at peninsular side of the coast. There have been found relics of Roman theatre, houses and port. At the location where the Church of Agios Nikolaos is now, there was the temple of Artemis Britomartys. Marinatos found their inscription of verse couple that is dedicated to Britomartys, of the 1 st century BC. At Poli location, there was found inscription on marble stone that had the decree between Knossians and Gortynians.

. There were also found fragments of statues and architectonic parts of structures. The city was watered by water supplies. At the 25 th kilometre of the road Potamies – Lasithi, there are ruins of huge water-bridge. The location is called Xerokamares. Many coins of Chersonisos have the head of Artemis, naked Apollo seated on tree trunk, holding his lyre. Other coins have Heracles or Athena and the word CHESRONASION. The city preserved its importance until the 1 st Byzantine period. The city was under decline only in the Arabic dominion.

Chersonesos. Sfinari Kisamou Cape. Ancient city of western Crete of the Roman period. Chersonesos and Phalasarna were the ports of Polyrrenia. Strabo and Ptolemy cite the city.

Cydonia. Chania. Cydonia was the third larger city of Crete that was located where the city of Chania is now built. It was the most important city of the Cydonians, with port and rich hinterland. According to tradition, Minos or Cydon, son of Apollo or Hermes and Akakallis, daughter of Minos, or son of Tegeates, was the founder of the city. Cydonia was inhabited since the Midminoan period (17 th century BC). The ruins that have been unearthed testify the existence of a great palatial centre. Herodotus says that in 520 BC, refuges from the island of Samos threw away the Zakynthians from Cydonia and inhabited the area. In 515 BC, the Cretans allied with the people of the island of Aigina and threw away the Samians. The Temple of Diktynna-Britomartys, which is related to the Goddess Aphaia of Aigina, was built then on Mount Tityros near the city. In 429 BC, the Athenians ruined the city of Cydonia in order to help the neighbouring city of Polychna. In 343, BC, Phalaikos, leader of the Phokaians, laid siege to the city unsuccessfully. His army was ruined and he was killed. In the 4 th and 3 rd centuries BC, Cydonia had good relationship with Athena and Macedonia. In the 3 rd century BC, Cydonia was involved in the civil wars between Knossos and Gortys. At the same time, the city was in war with Phalasarna, Aptera, Polyrrenia, and Elyros. In 219 BC, the city joined the Aitolian and then the Achaian Federation. In the 2nd century BC, Cydonia was in great flourishing. The city did not sign the decree with Eumenes B’ and did not join the Republic of Cretans that was established in the mid 3 rd century BC. In the 1 st century BC, the city resisted to the Romans, but it was conquered by Caicilius Metellus in 69 BC. Panares, the one general of the city, signed decree with the Romans, the city was not ruined, and Lasthenes, the other general takes refuge in Knossos, where he continued resisting. In 30 BC, Augustus gave to Cydonia autonomy. The coins of Cydonia are remarkable. They have images of Dionysos, Athena the Cydonian, Diktynna-Britomartys, Apollo, Demeter and Persephone, the female wolf that feeds Cydon and the word KYDONIATAN. Svoronos is talking about 96 types of coins from older Cydonia and 62 of the Roman times.

Herodotus says: “The Samians built Cydonia in Crete they went to Crete not with this aim, but to throw away the Zakynthians from the island. They stayed there and lived in prosperity for five years, and they built in Cydonia, shrines and the Temple of Diktyna. However in the sixth year, the citizens of Aigina won along with the other Cretans the Samians.”Stefanos Byzantios says: “Cydonia is city of Crete. It was called Apollonia. It took its name by Cydon, son of Apollo and Akakallis, daughter of Minos. The citizen is called Cydoniates and Cydon and Cydonios and Cydonaios, the female Kydonia and Kydonis and Kydonikos the male.”

Daidala. “Daidala…there is another city in Crete. The citizen is called Daidaleus, like Samosata, Samosateus and the female form is Daidalis.” Stef. Byzantios.

Dia. Island in the Cretan Sea. It comes under the village Elaia, Pediada province, Herakleion prefecture. It is 5.4 miles in the north from Herakleion. According to mythology, Theseus left Ariadne at Dia. There Ariadne met Dionysos who took her in the heavens. According to other versions of the same myth, this took place not at Dia of Crete, but at Dia of Naxos. In 1976, Cousto and his team found in the sea an ancient shipwreck, which was considered Minoan. It seems that the island was inhabited. It was destroyed by the upheaval of Thera volcano (1643-1623 BC). Part of the island went under the sea. There are no references about the port of Dia. “Dia…d) island near Knossos of Crete. The national adjective was Dieus and the female form was Dias…” Stef. Byzantios.

Diatonion. Suburb of Knossos. We do not know whether was independent city before. The city is located between Knossos and Lyttos. Soon it came under the rule of Knossos. However, in the war between Knossos and Gortys, the Gortynians won, and made the city under the rule of Lyttos. (Polybios 23.15 – Strabo 10.479). Today, between Knossos and Lyttos there is the village Aitania. The name of the village is similar to the name of the ancient city. It is also believed that the city might have been part of Lykastos.

Diktaion Andron. Cave near the village Psychro, at mount Dikte. It is famous as Diktaion Andron. According to the ancient writers, this is the place where Zeus was born, brought up, and made love with Europe. The cave was dedicated to the cult of Diktaian or Cretan-born Zeus. The hymn that was sung on the honour of Zeus was found written in inscription of 2 nd century AD at Palaiokastro. The research in the cave has unearthed offering tables, bronze idols of men who worship, double axes, vessels, tools, and jewellery. Everything is from the Postminoan period.

Herakleia. Stefanos Byzantios cites twenty-three cities of the same name. The seventeenth of them is in Crete. The national adjectives are Herakleus, Herakleiotes, Herakleotes, Herakleion, and Herakleiotikon.

Herakleion. Herakleion city. According To Pliny, the city is called Herakleia. Tournefort and Bursian say that in antiquity the city was called Mation. Strabo cites the city twice: “Herakleion is the port of Knossos” and “the island of Dia is opposite to Herakleion of Knossos”. In the book Stadiasmoi it says: “from Astale to Herakleion, there is 100 stadia distance. It is city. It has port and water. In 20 stadia distance there is Knossos, and in 40 stadia there is an island. The island is called Dia. From Herakleion to Chersonisos it is 100 stadia distance.”. Pape distinguished Herakleion from Herakleia. In contrast to Tournefort and Bursian, Spratt located Herakleia at Herakleion and considers Mation as separate city, near Amnisos. In the Second Ecumenical Synod, Herakleion is written in Latin Heracleia. The Arabs named the city Chandac = Chandax = Candia. Cretans called the city Megalo Kastro (Great Castle) or Kastro (Castle). One century ago the city was named Herakleion. The intellectual circle of the city that wanted to replace the Arabic or Venetian name with the Greek one did this. In 29 May 1508, in 1810 and in 1856, the city was destroyed by earthquakes. From Herakleion was on of the Ten Saints Euarestos.

Hetis. (or Heteia). It is located at Petra village, Siteia. It was located in the western side of Didymo or Siteia Gulf. Ruins of walls and other ancient building are near Petra village. Diogenes Laertios says that Myson the philosopher was born there. Heteia was the port of Praisos. When Ierapytna destroyed Praisos, the citizens of Praisos who survived took refuge at Heteia. Heteia became the new capital of the state of Praisos. In inscription of 3 rd century BC that was found at Praisos, Setaetai are cited twice. It seems that the name Seteia was given to the area by the Byzantine. Seteia existed in the Postminoan period, and was preserved until the Venetian period. In the second Byzantine period, the citizens moved in the hinterland and they established the village Episkopi (Bishopric) of Seteia. Seteia was the capital of Seteia province under the Venetian dominion.

The city was destroyed three times. In 1508 the city was ruined by earthquake and in 1538, by Chairendin Barbarosa. In 1648, the Turks laid siege to Seteia and the Greeks vacated the city. It was re-inhabited after two centuries. Two pashas bought the ruins of the ancient city and in 1870, the Turks built the new city Abnie that the Greeks called Limani Seteias. Vitsentzos Kornaros, the great Greek author who wrote the epic poem Erotokretos was from Seteia. In the east of the city there are ruins of Venetian castle that the Venetian destroyed by themselves in order to prevent it from the Turks (1651). “Hetis is city of Laconia, and city of Crete, whence Myson comes. Myson is cited by Plato in Protagoras.” Stef. Byzantios.

Hydramia (or Hydramon). Dramia Apokoronou. At Kefalas hill, near Dramia village. It was port of Lappa at Almyros gulf. There was found urn that testifies the existence of the city in the Postpalatial period. However, Hydramia flourished in the Roman period. There were found roman shells, and roman statue of naked Heracles. In the same area, there was the Agios Georgios monastery that was vacated in 1770 AD, when all monks were slaughtered in the catalogue of the one hundred cities of Crete of the Marcian Library, we read: “Idramia, allogiamento de forestieri, era ove hora il casale Dramia nel confine tra Rettimmo e la Canea.” (= Hydramia. Installation of foreigners. It was where now Dramia village is, at the border Rhethymnon-Chania)

Byzantios says: “Hydramia is city of Crete, as Xenion says, who wrote the Kretika. The citizens are called Hydramieis, like Megareis.”

Idaion or Arkainsion Andron. Cave of Crete. Place of cult in northern mount Ide, at Nida upland, where Zeus is believed to have been brought up. Many votive objects have been found there. They testify the cult from Minoan period until the 4 th century AD. Many of the artefacts (idols, bottles, tripods) have oriental origin. Very important are the relief bronze shields of 8 th and 7 th century BC, which show less influence from oriental, Assyrian, Phoenician prototypes. The objects that were unearthed show the complexity of the cult of Zeus and link this cult with the city of Axos, which had all the surrounding area under rule. In example, Anchiale, wife of Zeus and mother of Daktyloi of Ida, brings her sons up in a cave (Apollonios Rhodios, Argonautics). She was also considered mother of the founder of the city. The votive shields, boilers, cymbals, tripods, spears and arrows were found on the right of the cave opening. According to mythology, Zeus was son of Rhea and Cronus. He was born at Diktaian Andron but he was transferred to Idaion Andron. Cronus wanted to swallow Zeus in order to protect his reign. Rhea saved her son she swaddled a stone and she gave it to Cronus, and Cronus swallowed it. Zeus was brought up by nymphs Adrasteia and Ide, and he was feed with milk from the goat Amaltheia and honey. When he was crying, the Kouretes were dancing clashing their swords with their shields. Pythagoras, Plato, and Solon had visited the cave.

Iera nesos. “Iera nesos is in the Cretan Sea as Charax says. Iera nesos is also another island near Egypt. The citizen was called Ieronesites or Ieronesios”. Stef. Byzantios.

Ierapolis. Leben or Malia.Stefanos Byzantios cites among other cities of the same name, Ierapolis of Crete. The national adjective is Ierapolitai.

Ierapytna. Ierapetra (36 kilometres from Agios Nikolaos). It was city in the southern coast of Crete. According to tradition, the city was called Cyrba, by the name Cyrbanta, its founder, who was one of the Corybantes. Then it was named Kamiros, Pytna and then Ierapytna or Ierapysna. The older names Cyrba and Kamiros show a kind of relationship with the island of Rhodes. It is probable that the first colonisers were Dorians who came to Crete via Rhodes. The Dorians were mixed with the local population. At first, Ierapytna was not important. The navy of the city was developed and was piratical. Hence, in 204-201 BC, when some Cretan cites fought with the Macedonians against Rhodes and its alliance, Ierapytna fought against Kos and Kalymnos. In 201-200 BC, Ierapytna allied with Rhodes. In 185 BC, the city signed decree with Eumenes B’.

In 145-140 BC, Ierapytna destroyed Praisos and was expanded. The city became gradually superpower. Larissa and Oleros became under the rule of Ierapytna. It was the last city that surrendered to the Romans in 68/67 BC. In the Imperial period, Ierapytna was in flourish. Servius says that Knossos and Ierapytna were the only cities that survived.

We have many coins from Ierapytna. Some of them have the image of wild boar or eagle (400-350 BC), some others the head of Zeus, phoenix or eagle (c.300 BC) and some others female head, phoenix or eagle (200-167 BC). Based on coins and inscription, in Ierapytna there were the cults of Zeus, Hera, Athena, and Apollo. In 1508 AD, Ierapetra was destroyed by earthquake. Duke of Crete was Ieronymos Donatos. The castle of Ierapetra was destroyed in 1780 AD. Three hundred Turks were killed.

“Ierapytna is city of Crete. It was called Cyrba, then Pytna, and then Ierapytna. The national adjective is Ierapytnios.” Stef. Byzantios.

Illatia. Between Allaria and Sybritos. “Illatia is city of Crete, as Polybios says. The national adjective is Illatios”. Stef. Byzantios.

Inachorion. Inachorio Kisamou. City in western Crete, which is located at Ennea Choria area. It is cited in ancient sources and catalogues of ancient cities of Crete. It is often written Innachorion.

Ippokoronion. Strabo cites the name: Ippokorona at Adramyttene and Ippokoronion in Crete. It is believed that it was name of city that was two miles south by west to Neo Chorio Apokoronou, on the Agios Mamas hill. There are ancient pieces of marble. Cornelius says “Hippocoronion sive Tanus hodie Castrum Apokoronou”. So, Ippokoronion was also called Tanos and was near Cydonia. According to Cornelius, the city was where the Venetian castle Bicorna was located, on the seaside hill near Kalyves. The name Apokoronas is cited since 1236 AD in the decree between Batantzes and Duke of Crete Istounianes. In the 2 nd Byzantine period, it was called “tourma Psychrou”, maybe because of the village that Basilicata cites in 1630 AD. The are many different opinions about this city. However, we should agree that the city was called Tanos as it is written on the coins.

Istoi. Unknown location.

Istros (or Istron). Pyrgos-Kalo Chorio Ierapetras. Based on inscriptions, we presume that Athena Polias was worshiped in the city and the leaders were called “kosmoi”. It is located in northeastern coast of Crete, near Istros River. In the area, there are some ruins.

Itanos. Ermoupolis Seteias. North by east to Toplou monastery. It is at Sidero Cape. There are ruins at the cape. The city flourished in the historic Greek and Greco-Roman period. It was established in the Prehellenic period. The name of the city is Minoan, although Stefanos Byzantios says that the city was established by the Phoenician Itanos. He established the colony for trading of purple and industry of glass. Herodotus gives us the first historic information. He says that in 630 BC, the citizens of Thera were lead by the Itanian fisherman Korybios to Libya, where they established Kyrene. Itanos became powerful and wealthy because of trading and the income from the Temple of Diktaian Zeus at Palaiokastro. The city had its own coins and public buildings covered with marble.

The constitution of the city was democracy, like every Doric city. In the 3 rd century BC, there was attempt for subversion of the constitution, which was helped by Ptolemy Philadelphos of Egypt. Athena was the matron of the city. There were two temples of Athena, one in the city and one outside the city. The cult of Athena is obvious on coins of 4 th century BC. Earlier coins have the image of Triton or Glaukus, sea gods. Praisos and Ierapytna wanted to take under their rule the temple of Zeus (for financial efforts) and therefore there were many wars among the three cities. After the destruction of Praisos by Ierapytna, there were many fights between Ierapytna and Itanos for the Diktaian Temple, the island Leuki, which was centre of fishing and purple industry. The decline of the city was result of the earthquake of 795 AD and of the Saracens in the 9 th century. The city was inhabited until the 15 th century AD when the pirates forced the habitants of the city to move to the hinterland of the island. It not cited in the decree of the Cretan cities with Eumenes B’.

“Itanos is city of Crete, which took its name by Itanos the Phoenician or by a Kourete. The citizens were called Itanioi. There is also cape of the same name.” Stef. Byzantios.

Kaino. Kainos or Kanos. It is located where village Kaina is now, at Chania prefecture. Diodoros the Sicilian cites the city and it is believed that Britomartys Diktynna was born there.

Κairatos. Ancient Phoenician name of Knossos.

Kalamyde. Kasteli Selinou, Palaiochora. The place is at the southwestern part of Chania prefecture. It is near the estuary of Kakodikianos River. The Venetian, who called the area Castel Selino, built a small castle in 1279 AD. In 1539, Barbarossa destroyed it. In 1834, Pashley found Selino Kastelli utterly destroyed. There are also ruins of Roman house at Trochaloi.

Kaloi Limenes. Bay near the city of Lasaia, at Kaloi Limenes. Bay at the Libyan Sea, in the south coast of Herakleion prefecture, between the capes Lithino and Kefalas. In the bay, there were four islands, Papadoplaka, Megalonisi, Mokronisi, and Trafos. In the coast there are the settlements Kaloi Limenes and Platia Peramata. Apostle Paul stopped at Kaloi Limenes on his way to Italy. There is also an English shipwreck of 1827 AD. Today the bay is modern, secure, and well equipped.

Kamara. Agios Nikolaos. The citizen was called Kamarites or Kamaraios. Lato pros Kamaran. Port of Lato he Hetera at Merambelo Gulf. Although the city was established in the archaic period, flourished in the 2 nd century BC, when the citizens of Lato he Hetera, abandoned their city and settled in the city. The two cities were one administrative unit. They worshiped Eileithyia. They had one currency. The coins had the image of Eileithyia or Artemis and Hermes with the word Lation. The Latians had good relationship with Elounda, Dreros, Milatos and Minoa.

In the Venetian dominion (1204-1669), Enrico Pescatore, pirate from Genova, built the castle on the top of the hill. They named it Merambello, because the location had very nice view of the whole bay. The city of Agios Nikolaos declined in the Turkish dominion. It was re-inhabited by Cretans from Sfakia in 1860s. The lake of the city is very famous. According to tradition, Athena and Britomartys Artemis used to have bath there. The Venetian called it Mantrakio. In 1867, Kostas Adosides, Christian pasha, linked the lake with sea and cleaned the water of the lake.

Stefanos Byzantios says, “Kamara is city of Crete. The citizen is called Kamarites, as Xenion says in his “Cretan issues”. It was also called Lato.”

Kantanos. Kantanos Selinou. The village has still the name of the ancient city. Kantanos is cited by all ancient writers. Modern writers call it Kandanos. Pashley says that Kantanos was near the villages Kadros, Spaniako, and Kalamos, at the hill, which is near Blithia or Kakodikianos or Stratos River. De Sanctis does not agree with Pashley. He located the city where the village is now. Before the World Wars, the Greek archaeologist Theofanides excavated the area. He discovered a large Roman building. The floor has mosaics with linear decoration, circles, and lozenges. There was found the base of the statue of the Roman emperor Septimus Sebirus (193-211 AD). Kantanos was inhabited until the Byzantine period, when it was Bishopric, and the Arabs destroyed it. It was not reconstructed. The bishopric was re-established in the second Byzantine period, since 1210-1212 Kantanos existed. “Kantanos is city of Crete as Xenion says. The national adjective is Kantanios.” Stef. Byzantios.

Karnessopolis. Lyktos. Hesychius says: “Karnessopolis was called the Cretan city of Lyktos”.

Katre.In the location Vate or Sterna, at Krapis basin, near Askyfou. P.Faure assumes that Katre was at Kadros Selinou. Pausanias says that is was established by the Hero Katreas, son of Minos. According to mythology, Menelaos was in Katre, guest of Katreas, when Paris abducted Helen from Sparta. Stefanos Byzantios informs us: “Katre is Ionic city of Crete, as Herodianos says… The national adjective is Katraios like Askraios”.

Kaudo. Gavdos. “Kaudo is island near Crete, where there are big wild asses”. Soudas. Strabo cites it as Gaudos.

Kaunos (or Kaudos).The island Gavdos. The earlier relics on the island belong to the Neolithic period. Information on the inhabitation of Gaudossince the Neolithic period is given by the ancient writers, Herodotus, Strabo, Ptolemy, and Hierocles. It is certain that Gaudos is inhabited since the third millennium BC and until today. Until now, there have been spotted sixty-three archaeological locations, the fifty of which have been searched. At Ai Yiannis and at Lavraka bay, there are obvious signs of flourishing in the Hellenistic and Roman period. This area is already been declared as archaeological area. In 1927, F. Halbherr discovered at the Praetorium of Gortys, the two first parts of inscribed limestone. Many years later, in 1960, there was found the third part of the inscription at Messara. The text is the decree between Gortys and Kaudos. The decree testifies friendship between the two cities in the 3 rd century BC. The text is written in Doric Cretan dialect and prescribes rights and obligations of Kaudos to Gortys. This is a short and free translation of the decree:

“The Gortynians provide the right to the Kaudians to dwell their island, free and autonomous, with their own courts and laws, and with the constitution the Gortynians established. The citizens of Kaudos have to follow the Gortynians in war and in peace, and to pay the dekate, i.e. the 1/10 of their products apart from animals and vegetables. In addition they have to give five thousand choes of salt from the total production, two hundred medimnos fruits of the tree cedar, if the harvest was good, and sixty, if the harvest was bad.”

Salt and oil of cedar fruits were used in pharmaceutics and preservation of ships. Those were the main products of the island and along with the income from the ports, they were the basic elements of their economy. Another important artefact from Gaudos is a headless statuette of woman, which Spratt transferred in 1865 to the British Museum in London. The statuette belongs probably to the 2 nd century AD. In the Roman period, the island is in decline. In the 2 nd century AD, emperor Andrianos gives the island to Sparta. In the byzantine period, the island was byzantine province with its own bishop. Later Gaudos is again in decline. In the Venetian dominion, Gaudos becomes trading centre of the Mediterranean. However, due to the pirates, the island is not re-inhabited. The Venetians wanted to build fortifications but they did not due to the high cost. Stefanos Byzantios says that there is one city of this name in Karia and one in Crete. The national adjective is Kaunios and Kaunaios.

Keraia. Rokka Kissamou. Keraia was autonomous city of Crete. The coins of the city have the representations of Artemis and Apollo. The citizen was called Keraites or Keretes. It was ally to Polyrrenia in the wars against Knossos (221-220 BC). Polybios says that the city was near Polyrrenia (based mainly on the coins of the two cities and the representations on them). Bursian is of the same opinion and he believes that the city was located where Rokka village is now. The city was one of those that singed the decree with EumenesB’. Soudas says that the famous poet Kretikos Rhianos was from Bene or Keraia.

Kisamos. Kalami Apokoronou. This is the second city of the name Kisamos. It was the port of Aptera. Spratt located the city near the village Kalyves Apokoronou.

Kisamos. Kasteli at Kisamos. Port of Polyrrenia. Pliny located the city near Pergamos and Cydonia. On the other hand, Ierokles located the city between Cydonia and Kantanos. According to Ptolemy, Kisamos was located at Kisamos bay, at the ruins near Kasteli Kisamou. Although it was port of Polyrrenia, the city was autonomous and had its own coins. The coins have the image of Hermes and a dolphin.

The ancient port was at the location Mavros Molos. The ruins of the ancient city are away from the sea, because the land of western Crete upraised. Kisamos flourished in the Roman period. In that period, the city had very famous theatre. The mosaics of Kisamos are considered the best of the 2 nd and 3 rd century AD. At Krya Brysi location, there are ruins of Roman aqueduct. In the Byzantine period, it had bishopric. The Venetians built fortifications. The Classical and Hellenistic city was at Seli hill. The Greco-Roman and Byzantine city was where the today city is located.


Ancient Aptera

o ancient city-state Aptera was founded in the 8th century BC and is situated in the Souda gulf, in a position of great importance. Today it is situated within the Souda municipality area in Chania .

Aptera used to be a very important city-state and has played a key role in the history and the politics of Creta. Aptera flourished in the Early Helenístico period and was continuously inhabited until the Arab occupation in the 9th century, when it was destroyed and abandoned.

Aptera was founded in the Geometric period and used to be one of the most powerful city-states in Crete . According to the legends, the city’s name, which in Greek means "without wings", derives from the Sirens, who lost their wings after being defeated by the Muses in a musical competition that took place in the area. Furthermore, “aptera” was also a nickname of Diana who had been worshiped in the area for centuries and is inscribed in coins.

The remains of the city walls do Aptera are circa four kilometers long. They were built in the 3rd century BC and its formidable, large stone construction shows the wealth of the city in the Hellenistic period. Inside the walls, in the middle of the site, the remains of a small double sanctuary of the Classical era (late 5th – 4th century BC) lay in a protected area. Besides the city walls , other important ancient buildings are the vaulted romano cisterns, the well-built double sanctuary of the 5th-4th century BC and the ruins of a small theater curved on rock. Findings from Aptera (vessels, coins, figurines, inscriptions, sculptures etc) are exhibited in the Archaeological Museum of Chania.

Near the eastern side of the walls, a romano building with three arches which is believed to have been bouleuterion has been uncovered. Following the path behind the monastery of Agios Ioannis Theologos, you can visit two impressive, vaulted Roman cisterns. .

Many tombs of the ancient necropolis have been excavated outside the city walls, in the area of Plakalona, Megala Chorafia. In a short distance, near Stylos village, part of a Minoan settlement with a pottery kiln and a Late Minoan tomb were found on a hill. A Late Minoan settlement in Samona area, near Stylos village, is still excavated. .

Two fortresses of great historical interest built during the Turkish occupation are also situated in the broader area of the archaeological site. Palekastro fortress was built by the Turks because of the Cretan Revolt of 1866 and Izzeddin fortress was built in Kalami area in 1872. Izzeddin fortress housed barracks, hospital and other buildings.


Assista o vídeo: Minoan Civilization and The Battle for Crete (Junho 2022).